Entenda como funciona a transferência do embrião

Entenda como funciona a transferência do embrião

Entenda como funciona a transferência do embrião

Powered by Rock Convert

Quando um casal inicia um procedimento de fertilização in vitro (FIV), todo o processo é feito tendo em vista o momento final do tratamento: a transferência do embrião. É uma etapa delicada, que costuma gerar muitas dúvidas em todos os casais. Por isso, vamos abordar esse tema detalhadamente.

Selecionamos os questionamentos mais frequentes dos casais que pensam em fazer o procedimento e vamos respondê-los um a um. Boa leitura!

O que é transferência de embrião?

Esse procedimento é o quarto e último estágio da FIV. Depois da estimulação ovariana com hormônios, da captação dos óvulos e desenvolvimento dos embriões no laboratório, é chegada a hora de levar o ou os embriões para o corpo da futura mamãe.

O objetivo do procedimento é colocar os embriões de forma eficiente e sem traumas no endométrio (ou com o menor trauma possível). O endométrio é o tecido que reveste o útero internamente, e que será responsável por acolher o embrião.

Essa região uterina é fundamental para o prosseguimento da gravidez, uma vez que o embrião precisa se fixar nesse tecido para que seja nutrido e possa se desenvolver de maneira adequada. Ou seja, deve-se prezar ao máximo pela integridade do endométrio.

A transferência não necessita de anestesia, uma vez que o desconforto provocado pelo procedimento se assemelha à experiência de um exame de Papanicolau (exame ginecológico). Outro incômodo relatado por algumas mulheres é o fato do procedimento ser realizado de bexiga cheia, em função do ultrassom abdominal. Porém, a transferência é realizada rapidamente, e é permitido urinar imediatamente após o fim do processo, caso a mulher deseje.

Como funciona a transferência de embrião?

O procedimento é simples e normalmente ocorre em ambiente ambulatorial. Ou seja, não é necessária a internação. Inicialmente, a mulher deve ficar em posição ginecológica, assim como em uma consulta de rotina.

Por meio do orifício externo do colo uterino — o mesmo por onde sai a menstruação — o médico introduz um fino cateter de plástico flexível. Este primeiro cateter é o cateter guia, e sua função é garantir que a trajetória dos embriões seja segura até o fundo uterino. É por dentro do cateter guia que ocorrerá a passagem do segundo cateter, trazendo os embriões. Este segundo, com calibre ainda menor, é enviado pelo laboratório, contendo um ou mais embriões suspensos em um meio fluido específico para isso. Ele vem acoplado a uma pequena seringa, para que esse líquido seja suavemente empurrado para dentro do útero, levando junto os embriões. A partir desse momento, o embrião deve continuar o seu desenvolvimento na cavidade uterina e se aderir à parede do útero (endométrio), para que haja o resultado positivo de gravidez.

Como se programar para a transferência de embrião?

Em linhas gerais, a transferência do embrião pode ser realizada tanto a fresco (de 2 a 5 dias após a coleta de óvulos e fertilização) quanto a partir do primeiro ciclo menstrual depois da coleta, por meio de embriões congelados previamente que serão descongelados para a realização do procedimento.

Nesse último caso, assim que o casal decidir pela transferência e o endométrio estiver devidamente preparado, o procedimento deve ser agendado e o laboratório informado, para que o descongelamento do embrião seja programado dentro do período requerido.

Outro fator a ser considerado para programar a transferência de embrião é a chamada janela de implantação. Esse é o período em que há maior receptividade do endométrio ao embrião. Portanto, é importante que seja feito um planejamento adequado de acompanhamento da resposta do endométrio e uso de medicações, se necessário, para preparar e identificar o melhor momento para a transferência.

Algumas mulheres precisarão estimular o espessamento do endométrio com medicações. Para outras, isso não será necessário e a transferência ocorrerá com seu ciclo natural.

Qual o endométrio ideal para a transferência de embriões?

A espessura do endométrio é um fator determinante para o sucesso da transferência de embriões. Embora existam inúmeros casos de gestações com a realização da transferência com endométrios mais finos, é importante destacar que pode haver chance aumentada de descolamento de placenta, pressão alta durante a gravidez e de acretismo placentário.

O acretismo placentário consiste em uma aderência muito profunda da placenta na parede uterina, o que pode causar riscos tanto para o bebê quanto para a mãe. Essa aderência pode ocasionar hemorragias, parto prematuro, entre outras complicações.

Felizmente, a medicina reprodutiva tem recursos para preparar o endométrio da mulher para receber adequadamente a transferência de embriões. A espessura considerada ideal para indicação da transferência embrionária é acima de 7 a 8 mm. Entretanto, a implantação do embrião em endométrios mais finos é possível, e a escolha pela realização do procedimento ficará a cargo do julgamento da equipe médica responsável, sempre discutindo riscos e benefícios com a paciente/casal.

Nesse sentido, mesmo nos casos de endométrio fino, é possível atingir o sonho da gestação!

Qual é o melhor dia de desenvolvimento para se transferir o embrião?

Depois da FIV, o embrião é colocado em um meio de cultura próprio no laboratório. Esse meio é um preparo especial que contém todos os nutrientes necessários para manter o embrião biologicamente ativo nos primeiros dias.

Ao longo de todo o período gestacional, as células embrionárias se multiplicam para a formação do feto. No terceiro dia de fertilização (D3), o embrião saudável tem em torno de oito células — todas iguais. Em torno do quinto dia (D5), ele chega à fase chamada de blastocisto, quando já há várias células, ficando difícil de contar, e ocorre diferenciação destas células em massa celular externa e interna.

Em uma gestação espontânea, o embrião migra para o útero entre o 5° e o 7° dia de desenvolvimento — ou seja, na fase de blastocisto. Na reprodução assistida, esse mesmo embrião pode ser transferido para o útero no D3, ou no D5.

A definição de qual dia o embrião será, de fato, transferido é uma indicação personalizada. No CEFERP, tratamos cada casal como único, e o momento da transferência deve ser definido em conjunto, através da discussão com o casal, o médico especialista e o embriologista.

Powered by Rock Convert

Há uma série de fatores que devem ser considerados nessa tomada de decisão. A idade da mulher, a qualidade dos embriões formados, o andamento do tratamento, o número de tentativas anteriores, o histórico de tratamentos e questões emocionais, como a ansiedade e expectativa do casal são todos aspectos que influenciam na decisão final.

No caso de embriões que passam pela biópsia embrionária, a transferência é feita em blastocisto, pois é neste estágio que são retiradas as células para análise. Entenda melhor aqui.

Quais materiais e cuidados são necessários durante a transferência?

A transferência costuma ser um procedimento lento, delicado, tranquilo, indolor e com o mínimo de traumas possível, tanto para os embriões como para o endométrio. Esse é o primeiro e mais importante cuidado necessário para o procedimento.

Quanto aos materiais, além do cateter importado específico para transferência de embriões, é muito importante o uso de um aparelho de ultrassom. Ele fornece a visualização da anatomia (forma) do útero e sua cavidade, permitindo que o cateter seja direcionado para o local de colocação do embrião. Além disso, o casal pode acompanhar todo o processo de forma clara, transparente e tranquila.

Um estudo realizado por pesquisadores da Nova Zelândia e Canadá analisou dados científicos de 6218 mulheres submetidas à transferência embrionária. Nesse estudo, os autores observaram que a chance de bebê nascido foi maior quando se utilizou a ultrassonografia pélvica: 28 a 33% versus 23% quando o exame não foi realizado.

Assim, os autores concluíram que a realização da ultrassonografia durante o procedimento pode aumentar as chances de sucesso do tratamento, sem aumentar risco de abortamento, gestação gemelar ou ectópica (fora da cavidade uterina).

(Brown J, Buckingham K, Buckett W, Abou-Setta AM. Ultrasound versus ‘clinical touch’ for catheter guidance during embryo transfer in women. Cochrane Database Syst Rev. 2016;3:CD006107. doi: 10.1002/14651858.)

Como a mulher deve se preparar para a transferência de embrião?

Primeiramente, é fundamental que a mulher esteja calma no dia do procedimento. Nervosismo e estresse são sentimentos podem afetar diretamente as chances de sucesso da transferência de embriões. Ficar ansioso é completamente normal, mas é muito importante controlar os níveis dessa ansiedade para uma experiência mais satisfatória. Nesse sentido, o apoio do parceiro(a) pode ser fundamental para o controle das emoções.

Além disso, a equipe multiprofissional responsável pelo caso tem um protagonismo importante no acolhimento da futura gestante e da família. É fundamental que ela receba atenção e informação durante todas as fases do processo, para que a segurança e confiança no tratamento aumente sua tranquilidade.

No que se refere ao momento da transferência, é importante frisar que a mulher deve estar com a bexiga cheia. A urina na bexiga cria uma espécie de “janela acústica” que melhora a visualização do útero através do aparelho de ultrassonografia. O enchimento da bexiga pode também, auxiliar a retificar o útero e fazer com que o procedimento de passagem do cateter seja mais fácil. O procedimento é simples e ambulatorial, logo, não é necessário jejum nem anestesia, e o parceiro(a) poderá acompanhar tudo, a todo momento ao lado da mulher.

Quais os cuidados pós-transferência?

No início da história das técnicas de reprodução assistida, era recomendável o repouso após o procedimento de transferência. Entretanto, desde a década de 1990, os estudos de casos de FIV apontam que o repouso não tem nenhuma influência sobre o sucesso do procedimento.

Portanto, após a transferência a mulher já pode prosseguir com a rotina normal. É possível, inclusive, ir trabalhar normalmente, uma vez que a implantação de um embrião de FIV ocorre de maneira análoga ao de uma gestação espontânea.

É fundamental que o casal siga as orientações médicas e, principalmente, contenha as expectativas até que o resultado da gravidez possa ser confirmado por meio de um exame de beta-HCG, que deve ser realizado em torno de 14 dias após a transferência.

Quais as diferenças entre transferência a fresco e congelado?

A transferência do embrião pode ser feita com o embrião a fresco ou congelado. O embrião a fresco é denominado dessa maneira por ter sido fertilizado e transferido logo após 2 a 5 dias da coleta realizada na mulher. Ou seja, o procedimento é realizado sequencialmente às etapas anteriores da FIV.

Quando, após a primeira transferência, restam embriões excedentes, estes podem ser congelados para tentativas futuras. Outros cenários também podem indicar o congelamento de todos os embriões para transferência em outro ciclo, técnica chamada de freeze all. Alguns destes cenários são: resposta endometrial inadequada durante a estimulação, risco de síndrome de hiperestimulação ovariana, entre outros. Quando é feito esse congelamento dos embriões, o intervalo entre a fertilização do óvulo e formação do embrião e a sua transferência para o útero é maior, podendo variar de um ciclo menstrual até o tempo que o casal desejar ou necessitar, podendo ser de anos.

A tecnologia atual permite que os embriões possam ser conservados em dispositivos de criogenia por tempo indeterminado, sem que haja alterações que inviabilizem o início da gestação. Após o processo do congelamento, atualmente realizado através da técnica de vitrificação, é como se o tempo tivesse parado para o desenvolvimento embrionário.

A indicação da transferência de embriões a fresco ou congelados deve ser estudada pelo médico especialista para cada caso específico e conversada durante o andamento do procedimento. Somente o profissional da área terá discernimento suficiente para julgar as melhores possibilidades para a mulher.

Quanto tempo leva para saber se o procedimento deu certo?

Naturalmente, o casal estará muito ansioso pensando no sucesso da transferência do embrião nos dias seguintes ao procedimento. Porém, alguns dias ainda serão necessários para a confirmação do sucesso do procedimento. Portanto, é sempre importante tentar controlar as expectativas.

O recomendado é que a mulher espere, em média, 14 dias após a transferência para realizar o exame de sangue que comprova a gravidez, chamado Beta-HCG. Até lá, o casal pode aproveitar para trocar muitos carinhos e fortalecer seus laços.

Gostou de saber mais sobre a transferência de embriões? Comente todas as suas dúvidas abaixo! Ficaremos felizes em respondê-las!

mm

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. CRM-SP 164.436
Perfil no Doctoralia

Comentários (53)

  • Avatar

    cristiane

    |

    Bom dia. Gostaria de saber os valores consulta, meu esposo é operado e gostaria de engravidar, mais nao sei se é possivel

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Cristine,
      Nossa equipe vai entrar em contato com você para agendar uma consulta com nosso especialista.
      Atenciosamente.
      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    Edvania Pacheco

    |

    Boa tarde

    Eu tenho 4 embriões congelados de 3 dias, mes passado fiz a transferência e o embrião implantou mas na evoluí, com esses 4 embriões que sobraram seria arriscado deixar chegar em blastocisto?
    Desde ja agradeco

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Edvania,
      Essa avaliação, como colocado no texto, deve ser feita em conjunto com o profissional que te acompanha, pois alguns fatores podem influenciar essa decisão, como a sua idade, a qualidade dos embriões, dentre outros.

      Reply

  • Avatar

    vera

    |

    Minha mestruacao veio dia 5 de setembro dia 22 tive meu smail(usando testes de ovulacao)dia 29 vou fazer tranferencia de embriao classificado blastocista, minha duvida e se a transferencia nao esta sendo feita muito tarde?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Vera,
      Essa é uma dúvida que você deve levar ao seu médico, ele que sabe exatamente os motivos de escolher essa data.
      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Paula Soares

    |

    Tenho um embrião congelado, comecei a tomar primogyna, com quanto tempo o embriao pode ser transferido pois meu endométrio já chegou a 8,5mm, pode ser transferido com 21 dias do início do ciclo?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Paula,

      Esse tipo de resposta apenas o médico pode dar, se você já tem acompanhamento de um profissional entre em contato com ele, se não tem podemos agendar uma consulta com um dos médicos aqui da clínica.
      Nosso atendimento é das 8:00 às 21:00 de segunda à sábado presencialmente ou pelos contatos:
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      [email protected]
      Atenciosamente,
      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

    • Avatar

      Laura Silva

      |

      Um embrião congelado D2 é viável para transferência? Qual a probabilidade de sucesso?

      Reply

      • mm

        CEFERP

        |

        Oi Laura,
        Obrigado pelo comentário, um embrião em D2 é viável para a transferência, mas para saber especificamente sobre o seu embrião é necessário que o laboratório da clínica te dê maiores informações, não temos como fazer esse tipo de avaliação sem mais informações.

        Atenciosamente,

        Equipe CEFERP

        Reply

  • Avatar

    Maisa

    |

    Ola boa tarde eu fiz a fertilização in vitro e ja faz 4 semana e faço o ultrassom e eles vê só o saco gestacional é normal

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Maisa,
      Com 4 semanas ainda é cedo para ver além do saco gestacional, aguarde algumas semanas e repita o ultrassom, logo poderá ouvir o coraçãozinho!
      Boa sorte e feliz 2018!
      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    Paulo Jeronimo

    |

    Olá equipe DO CEFERP como são feitos os contatos com os pacientes que vivem fora do Brasil. Podem começar a consulta fora do Brasil?ajudam na aquisição do visto alojamentos.

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Feliz ano novo Paulo!
      Podemos marcar uma conversa via Skype para que você entenda todo o processo nestes casos.
      De onde você é?
      Estamos em férias coletivas, mas à partir de 08/01 nosso atendimento volta a ser das 8:00 às 21:00 de segunda à sábado ou pelos contatos:
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      [email protected]
      Atenciosamente,
      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

      • Avatar

        Paulo Jeronimo

        |

        Só de Angola
        Sim podemos

        Reply

  • Avatar

    rosiane

    |

    quais são os exames necessários antes da TEC. é obrigatório fazer a medida de algum hormônio?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Rosiane,

      Para a transferência os exames sâo:

      – Sorologias (até 6 meses)
      – TSH (até 1 ano sem alterações no exame)
      – Zika Vírus

      Esperamos ter ajudado.

      Obrigado,

      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    erica

    |

    Olá, tenho 38 anos, 1trompa obstruida, a 3 anos tentando engravidar, no ano passado engravidei de forma natural, porém com 7 semanas tive um aborto espontaneo. O espermograma do meu marido está tudo bem.Gostaria de saber se no meu caso a inseminação artificial seria indicada ou a fiv?
    Obrigada

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Erica,

      Para saber o melhor tratamento é necessário passar por uma consulta, o médico vai olhar seus exames e do seu marido, pode solicitar novos exames para tirar todas as dúvidas e somente após a investigação é possível determinar o tratamento.
      Para entender um pouco melhor a diferença entre os dois tratamento temos um artigo no blog: https://ceferp.com.br/blog/diferenca-entre-fiv-e-inseminacao-intrauterina/

      Se quiser agendar uma consulta nosso atendimento é das 8:00 às 20:00 de segunda à sexta e sábado das 8:00 às 12:00, presencialmente ou pelos contatos:
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      [email protected]
      Atenciosamente,
      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Isabelle

    |

    Boa noite. Há dois anos fiz a FIv, implantei no mês seguinte um blasto congelado e fiquei grávida. Perdi com 8 semanas. Meus exames NK e os anti tireoidianas deram alterados, meu médico induziu a imunoglobulina. Fiz o estudo dos restos placentários e não deu nenhuma alteração cromossômica. Implantei outro embrião agora, ontem, e minha dúvida é: ter tido um beta positivo no passado é benéfico, ou indiferente? É só com a implantação de um único blasto, tenho boas chances?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Isabelle,

      Obrigada pelo contato e boa sorte depois da transferência de ontem, depois volte para contar o resultado.
      Como falamos aqui no CEFERP, cada caso é único, o sucesso do tratamento depende de diversos fatores e isso apenas a equipe médica que te acompanha poderia avaliar com segurança.
      O fato de já ter tido um positivo é sempre um ponto a seu favor, mas não o único que determina o sucesso.

      Boa sorte e que seu positivo chegue logo.

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Bruna Santos

    |

    Boa tarde,me tira uma duvida tenho uma amiga que fez duas fivs e deram negativas,ai por ultimo a medica pediu mais alguns exames de trombofilia e em um deu e ela tera que tomar Clexame assim que for transferir os ultimos embriöes,mas ela agora tá muito confusa pq depois de tanta coisa feez Histeroscopia cirurgica o ano passado,estava com umas aderencias mas ficou tudo ok,e agora vai pra marcar quando vai transferir com ciclo natural por caancelou 3 ciclos o ano passado e a medica vira pra ela e diz que é pra fazer uma Histeroscopia diagnostica com pesquisa em um mone de coisas e fala que ela vai precisar de injecöes pra ajudar ovular,que locura é essa pq eu sei que inejoes de Elonva ou Menopur é pra quem vai estimular pra colher os ovulos,e näo quem vai fazer transferir em ciclo natural,gente me fala alguma coisa ela tá muito triste com tudo isso e confusa,eu também acho tudo isso muito estranho !!

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Bruna,

      Obrigada pela mensagem.
      Para avaliar quais medicações ela deve tomar e saber o melhor no caso da sua amiga é preciso passar por avaliação de um especialista, com todos os exames, todo histórico clínico (mesmo você tendo descrito boa parte aqui, é sempre necessário uma consulta com o médico).
      O Conselho Federal de Medicina não permite consultas e avaliações por meio eletrônico, apenas presencial. Se quiser podemos agendar uma consulta e sua amiga tira todas as dúvidas para saber como prosseguir.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Geiza Santos

    |

    Boa tarde,por favor o que preciso fazer pra fazer transferencia de embriöes em ciclo natural, sempre sou que só é controlar com utra sons e depois a medica dizer o dia de transferir näo é isso? ou precisar usar alguma medicacäo?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Geiza,

      Obrigada pela mensagem, neste caso o melhor a fazer é conversar com seu medico, ele irá explicar o que é o ciclo natural, quais as chances de positivo desta forma, como é o acompanhamento do crescimento do endométrio neste caso.
      Em fevereiro tivemos um positivo com ciclo natural, olha que linda a história no nosso instagram: https://www.instagram.com/p/BfwpGmmh3tT/?taken-by=ceferp_

      Boa sorte!

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Giovane

    |

    Já temos embriões congelados, vamos fazer o procedimento para colocação. É necessario refazer exames como por exemplo do zica virus se os embriões já estão congelados? O laboratório informou que tanto a mulher como o homem (que nesta etapa não têm mais “envolvimento” direto) precisam refazer o exame do Zica Virus.

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Giovane,

      Obrigado pelo contato. Não existe regra dos exames para a transferência, apenas para a coleta.

      Aqui na clínica aconselhamos a mulher a repetir o exame de Zika para ter certeza que o vírus não está presente no corpo na hora da transferência.

      Boa sorte!

      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    Cintia Coutinho

    |

    Bom dia
    Em qual situação pode ser obtida para transferência de embriões de 2 dias, sempre ouço falar que o indicado é de 3 a 5 dias, porem tenho 2 embriões que foram congelado no d2 e isto esta me gerando muito angustia.

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Cintia,

      Obrigado pelo contato. Conversamos com nossos embriologistas para poder responder sua dúvida da melhor maneira possível.
      Os embriões podem ser cultivados em laboratório e serem aptos para a transferência ao útero desde o 2° ao 6° dia de cultivo.
      Esse tempo de cultivo e o momento da transferência variam de acordo com vários fatores, entre eles a quantidade e qualidade dos embriões fertilizados, a indicação médica para cada caso e o protocolo de cada laboratório.
      O ideal é que você converse com seu médico sobre seu caso específico.

      Boa sorte!

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Danilo

    |

    Bom dia!!! Gostaria de saber minha esposa fez uma transferência de 2 embrião do 5 dia,ela fez no dia 16/07/2018.
    Ela não está sentindo nada diferente no corpo dela só à temperatura do corpo que aumentou isso é um bom sinal??? Vamos fazer o beta dia 26!!!

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Danilo,
      Cada um tem uma reação diferente, algumas mulheres terem alguns sintomas, outras dizem não sentir nada. Como cada ser humano é único a reação de cada um também é pessoal, não podemos generalizar.
      Dia 26 está chegando e logo vocês terão o resultado com vocês e torcemos para que seja positivo.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Thais

    |

    Olá! Fiz uma FIV em 2015 com transferência de 1 embrião congelado D5, com sucesso. Estou me preparando para um segundo filho com transferência de outro embrião congelado. Tenho 6 em D3 e 1 em D5. O médico irá verificar qual irá transferir.
    Minha dúvida é se pelo fato de já ter feito 1 TEC com sucesso, se essa segunda posso considerar uma probabilidade maior de 30% que é a probabilidade padrão para o procedimento.
    Tenho hoje 31 anos e a FIV foi feita por um problema de motilidade do meu marido.

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Thais,
      Obrigado pela mensagem.
      Ter vivido a experiência do betaHCG positivo conta pontos, pois demonstra que seu endométrio foi receptivo e capaz de permitir o desenvolvimento de uma gestação.
      Mesmo assim esse não é o único ponto a ser considerado para a segunda gestação, depende de outros fatores, como qualidade dos embriões, idade e outras variáveis que não temos como avaliar.
      Converse com seu médico, procure ajuda de um psicólogo para ajudar a segurar a ansiedade e boa sorte.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Geny

    |

    Bom dia , gostaria de perceber ao transferir 3 embrioes e só um pegar, o que acontece com os outros dois? Obrigada

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Geny,
      Obrigado pelo comentário.
      Os embriões que não implantam são reabsorvidos pelo nosso organismo.
      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Raquel

    |

    Olá!
    De modo geral quais os prós e contras entre transferência de embriões a fresco e congelados?
    Obrigada

    Reply

    • Avatar

      adminceferp

      |

      Oi Raquel,

      Obrigado por entrar em contato. Temos um vídeo em nosso canal que fala mais sobre o assunto, dê uma olhada e se ainda tiver dúvidas entre em contato para agendarmos um consulta e o médico te explicar os detalhes.
      O vídeo: https://youtu.be/DFNoXfKMupI
      Seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Soraya

    |

    Boa tarde!
    tenho algumas dúvidas…
    1 – Quanto tempo depois da coleta dos óvulos, ficamos sabendo o melhor dia para transferência? no mesmo dia? como chegam a essa conclusão?
    2- Como temos certeza que o óvulo foi transferido?
    3- Se já tiver sido marcado o dia da transferência, e nesse meio tempo os embriões (acho que é embrião) parou de se desenvolver, como é comunicado para a paciente?
    Grata… Soraya

    Reply

    • Avatar

      adminceferp

      |

      Oi Soraya,
      Obrigado pelo seu contato e pelas perguntas. Seria interessante conversar com o seu médico sobre suas dúvidas. Vamos tentar responder, mas a maneira que fazemos aqui é o nosso protocolo, pode não ser o mesmo para outras clínicas.
      1) Essa definição depende da resposta do endométrio e do número de folículos, essas informações são passadas ao longo do tratamento. Para saber mais sobre transferência tem esse texto aqui: https://ceferp.com.br/blastocisto-ou-d3/, vale assistir ao vídeo também.
      2) Seria a transferência do embrião, certo? Neste caso existe uma dupla checagem: o médico tem uma marcação no ultrassom que faz com que saiba que o embrião foi transferido e a segunda checagem é no laboratório verifica se o embrião não está mais no cateter utilizado durante a transferência.
      3) Depende se a transferência será a fresco ou congelado, pois caso esteja congelado somente no dia da transferência é possível saber se ele não evoluiu.
      Espero ter ajudado, se quiser marcar uma consulta com um de nossos especialistas estamos a disposição.
      Seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Luciana

    |

    Tive câncer e congelei folículos antes do tratamento. Agora de alta, eu e meu marido queremos fazer a fertilização com os óvulos congelados. Não posso fazer nenhum estímulo hormonal para induzir mais óvulos e nem para engrossar o endométrio, pelo histórico do câncer. Assim, em que fase do meu ciclo menstrual natural eu devo fazer a transferência?

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Luciana,
      Obrigado pelo seu comentário.
      No seu caso é importante alinhar com o seu oncologista sobre a vontade de engravidar, pois a gestação em si é um estímulo hormonal, ele deve liberar você para iniciar o tratamento.
      Estando liberada é necessário passar pelo médico especialista em reprodução humana para uma avaliação da fertilidade pós tratamento de câncer, para conhecer seu novo ciclo, verificar se existe ovulação, etc e aí dar início o tratamento propriamente dito.
      Boa sorte e parabéns por ter lutado e vencido o câncer.
      Equipe CEFERP.

      Reply

  • Avatar

    Karen

    |

    Oi em novembro colocamos 2 embriões e deu negativo. Como congelamos 1 vamos colocá-lo agora neste mês minha mestruaçao deceu no domingo então comecei a tomar 3 comprimidos de primogyna e 1 jato de oestrogel na coxa para no 12dia do ciclo fazer uma eco para ver como esta meu endométrio. Qual dia certo ou entre quais dias farei a nova transferência e como me cuidar (alimentação ou qe tipo de repouso ou movimentos indicados ) para qe de certo desta vez? Muito obrigado! Karen a tenho 28 anos sou ovodoadora e tenho problemas tubarios

    Reply

    • Avatar

      adminceferp

      |

      Olá Karen, obrigada por seu comentário.
      É importante você conversar com o seu médico, ele está acompanhando e sabe todos os detalhes do seu caso.
      A data da transferência vai depender da quantidade de dias que o embrião tinha no momento do congelamento.
      A transferência costuma ocorrer entre 3 e 6 dias depois do ultrassom caso o endométrio esteja pronto para receber o embrião. Mas esse prazo pode se alterar se houver necessidade para o seu caso.
      Não existe nada comprovado para ajudar na implantação do embrião, o que você deve fazer é se manter saudável e buscar ficar o mais tranquila possível.
      Boa sorte e que você consiga sua gestação.
      Atenciosamente,
      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    renata

    |

    Boa Noite, Estou no processo de fertilizacao FIV, e no 12 dia do ciclo no exame de sangue meus nieis de estradiol e progesterona deram muito alta acima de 8mil e quase 2.0 respectivamente, então quero saber quais os riscos de uma transferencia nessas condiçoes.

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Renata,
      Obrigada pelo seu comentário, neste caso é importante que você entre em contato com o especialista que está acompanhando seu tratamento para que ele te explique suas dúvidas.
      Boa sorte.
      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Jackson Dias da Silva

    |

    Olá, gostaria de saber se a clínica pode ou deve conceder um relatório, mostrar fotos ou até mesmo mostrar em microscópio a evolução do embrião antes da transferência para o útero. desde já obrigado.

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Jackson,
      Aqui no CEFERP entregamos relatório com foto dos embriões que foram transferidos para o útero.
      A partir dessas fotos conseguimos fazer as postagens sobre os embriõezinhos que temos em nossas mídias sociais: https://www.instagram.com/ceferp_/.
      Atenciosamente,
      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Gisele

    |

    Olá, Fiz a captação dos óvulos no dia 12/09, a minha menstruação era para vir no dia 01/10 e hj é dia 21/10 e não veio nada ainda, é normal?!? Estamos esperando o ciclo para fazer a transferência dos embriões, mas, não veio ainda. Estou preocupada, por não vir minha menstruação e ainda a minha barriga ficou bem inchada depois da captação dos óvulos, isso é normal?!?

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Gisele,

      Obrigado pelo seu comentário, recomendamos que você converse com o especialista que está fazendo o seu tratamento, ele poderá dar explicações específicas para o seu caso.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP

      Reply

  • Avatar

    Veronica

    |

    Fiz a transferência dia 12/11/19. De 2 blastocisto, porém logo após a transferência não consegui segurar a urina e levantei para fazer xixi, isso pode gerar o negativo ou em nada tem a ver, levantar e urinar em menos de 10 mint. Após a tec?

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Verônica,
      Obrigado pelo seu comentário, não se preocupe, não há nada que demonstre que o repouso após a transferência mude o desfecho do tratamento. O Prof. Dr. Anderson Melo explica isso aqui: https://youtu.be/BeBEFYOMNRU
      Boa sorte e que o positivo venha.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Vanessa

    |

    Bom dia,
    Tenho uma dúvida, caso consiga congelar meus óvulos, quantos são usados para gerar os embriões quando desejar fazer uma FIV? Pois pretendo fazer uma, futuramente, mas não desejo usar todos os óvulos. A pergunta se deve por conta de já ter uma idade avançada (39), de não saber quantos óvulos o médico vai conseguir coletar e da possibilidade de, se a FIV não der certo da primeira vez, de refazer o procedimento….

    Reply

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia