Mioma uterino pode ser obstáculo para a gravidez?

Mioma uterino pode ser obstáculo para a gravidez?

Mioma uterino pode ser obstáculo para a gravidez?

Para a maioria das mulheres, receber um diagnóstico de mioma uterino gera preocupações imediatas com a fertilidade. Afinal, a ideia de apresentar algum tipo de alteração no útero é realmente assustadora.

No entanto, o problema nem sempre causa dificuldades para engravidar ou provoca quaisquer outros sintomas na mulher. Tanto é verdade que muitas só descobrem o mioma ocasionalmente, após exames de rotina com o(a) ginecologista.

Portanto, antes de tirar conclusões, é importante entender melhor esse assunto. Continue a leitura deste artigo para saber mais sobre os miomas, quais são seus sintomas e como tratá-los.

O que é um mioma uterino ou leiomioma?

O mioma é um tipo de tumor, uma proliferação excessiva de células do útero. Por mais que isso possa parecer assustador em um primeiro momento, trata-se de um achado benigno e de desenvolvimento lento na maior parte dos casos. Em geral, sua ocorrência está relacionada aos hormônios femininos.

O mioma tende a aparecer e se desenvolver durante a fase reprodutiva de vida da mulher e regredir após a menopausa. No entanto, as causas do surgimento dele ainda não são conhecidas.

Alguns fatores de risco para o problema já foram identificados. Entre eles, podemos destacar a etnia (há maior prevalência desse tipo de tumor em mulheres negras) e ter mãe ou irmãs que desenvolveram miomas também eleva a probabilidade de uma mulher apresentar o quadro.

Os miomas podem surgir em qualquer parte do útero, e a classificação desses tumores é baseada na sua localização, como veremos a seguir.

Mioma subseroso

Situado na parede externa do útero. Em geral, esse tipo de mioma só causa problemas quando exerce pressão sobre outros órgãos, como a bexiga ou o intestino — o que ocorre quando há crescimento excessivo dele.

Mioma intramural

O tipo mais comum de mioma. Ele fica alojado dentro da parede muscular. Embora a maior parte dos casos seja assintomática, algumas mulheres podem perceber alterações no fluxo menstrual em decorrência da presença do mioma.

Mioma submucoso

Esse tipo de mioma se encontra no revestimento interno do útero e, dependendo do seu tamanho, pode ocupar uma grande parte da cavidade uterina. Devido à sua localização, esse é o tipo de mioma que está mais frequentemente associado a sintomas desagradáveis.

Em alguns casos mais raros, o mioma submucoso pode se alojar no canal cervical e entrar em parturição, sendo exteriorizado para o canal vaginal. Pode também acontecer de o mioma ficar ligado ao útero por meio de apenas uma haste de irrigação, sendo chamado de mioma pediculado.

Quais são os principais sintomas?

As manifestações do mioma uterino variam de acordo com a localização, e esses tumores benignos podem ser completamente assintomáticos. Entretanto, alguns dos sintomas mais frequentes podem ser:

  • aumento do fluxo menstrual;
  • dor pélvica;
  • aumento do volume abdominal;
  • dificuldade para engravidar ou para manter uma gestação — a depender do tamanho e da localização.

O contato com outros órgãos do abdômen pode ainda causar sintomas semelhantes a uma infecção urinária ou problemas digestivos, em consequência da compressão dessas estruturas.

O mioma uterino pode causar problemas para engravidar?

A maioria dos miomas não causa dificuldades para engravidar e nem provoca abortamentos espontâneos. Contudo, dependendo da localização, da quantidade e do tamanho deles, isso pode ocorrer.

Embora sejam menos frequentes, os miomas submucosos são os que mais podem interferir na fertilidade. Quando um tumor desse tipo se desenvolve próximo ao orifício tubário, por exemplo, ele pode obstruir a passagem dos espermatozoides para que cheguem até as tubas uterinas, local em que ocorre a fecundação.

Já quando há um mioma submucoso volumoso ou mesmo vários intramurais (que podem crescer e empurrar o endométrio — camada interna do útero), a cavidade uterina pode ficar comprometida, dificultando a nidação (implantação do óvulo fecundado) ou prejudicando o desenvolvimento fetal. Nesses casos, podem ocorrer abortos recorrentes ou partos prematuros.

O mioma também pode estar localizado próximo ao local de implantação da placenta, correndo o risco de provocar seu descolamento — o que pode causar sangramentos e elevar o risco de parto prematuro e outras complicações.

Geralmente, os miomas não são um fator isolado de infertilidade feminina. Portanto, quando a mulher não consegue engravidar naturalmente, muitas outras questões podem estar envolvidas, e uma investigação ampla é necessária para averiguar as causas do problema.

Qual é o tratamento recomendado?

Apesar dos riscos associados aos miomas, não existem evidências de que todos os quadros devam ser tratados em mulheres que planejam engravidar. Essa é uma decisão que deve ser tomada junto ao médico de confiança. Em muitos casos, é recomendado apenas o acompanhamento por meio de ultrassonografias para avaliar a progressão do mioma.

Entretanto, quando há sinais de que o mioma está interferindo na fertilidade ou produzindo outros sintomas indesejados, algumas opções de tratamento podem ser empregadas.

Os possíveis tratamentos para o mioma são:

  • conduta expectante (aguardar e acompanhar os achados periodicamente);
  • uso de medicamentos para controlar o quadro;
  • cirurgia para remoção dos miomas ou do útero se necessário.

A escolha do melhor tratamento deve ser individualizada, baseada na avaliação clínica completa da paciente, e depende de consulta e de realização de exame físico e exames de imagem, entre outros exames que forem necessários.

A cirurgia para remoção do mioma chama-se miomectomia. Ela pode ser realizada por cirurgia aberta (laparotomia), por vídeo (laparoscopia) ou por histeroscopia (quando não há corte na barriga e o aparelho é introduzido pelo canal vaginal). O tipo de cirurgia indicado depende do número de miomas, da sua localização, do tamanho, entre outras características.

Por serem menos invasivos de forma geral, os procedimentos realizados por vídeo (laparoscopia ou histeroscopia) tendem a ter recuperação mais rápida.

Para algumas mulheres, pode ser indicado o uso de medicamentos para “simular” uma menopausa transitória. Isso faz com que os níveis de hormônios que estimulam o crescimento dos miomas diminuam e pode ajudar a reduzir o tamanho do tumor ou controlar os sintomas que ele causa (sangramento menstrual aumentado, por exemplo).

Essas medicações também podem ser usadas antes de um procedimento cirúrgico, visando à redução de tamanho do mioma para facilitar a técnica cirúrgica.

Quando se trata de mioma uterino, cada caso é um caso. Como cada tumor apresenta suas particularidades, apenas um médico especialista pode avaliar adequadamente o quadro clínico para propor a melhor forma de tratamento.

A remoção do tumor garante que a mulher conseguirá engravidar?

A infertilidade pode ser desencadeada por muitos fatores, podendo ser resultado de alterações na mulher, no homem ou ainda não ter causas aparentes. Por isso, diante de um quadro de dificuldade de engravidar, é preciso avaliar todas as possibilidades.

A retirada do mioma representa a remoção de um possível impedimento à fecundação, à implantação ou ao desenvolvimento do bebê, dependendo do caso. No entanto, não há garantias de que a cirurgia significará a realização do tão esperado sonho da maternidade.

Assim sendo, é importante contar com o acompanhamento médico de especialistas em reprodução humana. Dessa forma, a mulher se certifica de que terá o apoio de profissionais experientes nos melhores tratamentos para promover uma gestação bem-sucedida.

Agora você já conhece as principais informações sobre o mioma uterino e em que casos ele pode ser um obstáculo para a gravidez. Lembre-se: receber o diagnóstico desse tipo de patologia não é uma sentença de que a mulher terá problemas de fertilidade no futuro. Converse com seu(sua) ginecologista para entender melhor o seu quadro e qual conduta deve ser adotada.

Esperamos que este post tenha esclarecido suas dúvidas. Mas, caso ainda tenha algum questionamento, deixe um comentário. Ficaremos felizes em responder!

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. Veja mais →

Comentários (4)

  • Avatar

    Daniella Neres

    |

    Eu tenho um miominha que fica do lado direito isso me impede de engravidar por meio de fertilização

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Daniella,

      Obrigado pelo seu comentário.
      A princípio miomas que não distorcem a cavidade uterina não impedem a gestação, mas é preciso sempre verificar a localização e o tamanho deles.
      Outro ponto importante é lembrar que o mioma pode crescer durante a gravidez e por isso deve ser acompanhado.
      Boa sorte.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Ana Oliveira

    |

    Olá, Dra Camilla!
    Tenho 44 anos e não tenho filhos. Descobri recentemente um mioma dentro da cavidade uterina com um tamanho grande. Tinha planos de tentar uma gestação e isso me deixou um tanto frustrada. Meu médico recomendou o uso de hormônios por conta do fluxo menstrual intenso. Por favor, na sua opinião ainda existe a possibilidade de uma gravidez? Qual seria o tratamento e qual o prazo do tratamento? Obrigada!

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Ana,
      Obrigado pelo seu comentário. É bastante complexo falar em chances de sucesso, pois muitos fatores influenciam. Em relação ao mioma, é necessário avaliar se ele distorce ou não a cavidade uterina, o que poderia atrapalhar a gestação.
      Aconselho que passe por um especialista tem reprodução humana para uma avaliação completa do seu quadro.
      Caso queira agendar uma consulta com nossos especialistas, seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

Deixe um comentário

Aplicativo CEFERP

Conheça o manual da fertilidade e saiba mais sobre reprodução humana.

Celular