O que é ovodoação? Entenda como funciona o tratamento!

O que é ovodoação? Entenda como funciona o tratamento!

O que é ovodoação? Entenda como funciona o tratamento!

O avanço de conhecimento e tecnologias na área de reprodução assistida tem permitido que cada vez mais pessoas com problemas de fertilidade tenham a possibilidade de engravidar. Cada tratamento de reprodução humana tem uma indicação específica — que variam de acordo com características próprias da pessoa ou casal que procura o especialista e a causa da infertilidade.

Os tratamentos incluem tanto técnicas menos complexas, como o namoro programado e a inseminação intrauterina, quanto mais complexas, como a fertilização in vitro (FIV). Há casos em que o tratamento de reprodução escolhido precisa ser combinado com a doação de gametas (espermatozoides ou óvulos) ou mesmo embriões.

Nesse contexto, no texto de hoje falaremos sobre a ovodoação, que é a doação de óvulos para a realização de procedimentos de reprodução assistida. Acompanhe!

1. O que é ovodoação?

A ovodoação é a ação de doar gametas femininos (óvulos) de uma paciente para outra. A paciente receptora é aquela que necessita do gameta para utilizar durante um ciclo de reprodução assistida, pois não produz óvulos em quantidade ou qualidade suficiente para formar embriões viáveis. A doação pode ser feita de forma completamente voluntária ou na forma de doação compartilhada.

A doação voluntária acontece quando a doadora é uma mulher que não tem problemas de fertilidade e se submete ao processo de estimulação ovariana e coleta dos óvulos, com o único intuito de doá-los.

A doação compartilhada, por sua vez, ocorre quando uma mulher que já está em tratamento de reprodução assistida divide os óvulos coletados entre ela e a receptora, ou seja, usa para si parte dos óvulos coletados e doa a outra parte para outra paciente. Nesse caso, os custos do tratamento são divididos entre ambas, porém de forma anônima e por intermédio da clínica.

As normas para este procedimento, bem como toda a regulamentação das práticas em reprodução humana, são estabelecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) na Resolução nº 2.168 de 2017.

2. Quais pacientes podem ser doadoras?

A avaliação da possibilidade da paciente ser ou não doadora de óvulos é de responsabilidade do médico assistente, e sempre será feita de acordo com a vontade expressa da paciente. A doação deve ser feita de forma anônima em ambos os tipos, e nunca pode ter caráter lucrativo ou comercial.

Outros pré-requisitos estabelecidos pelo CFM que regulamentam a doação de óvulos são:

Idade

A idade máxima para doação dos óvulos é de até 35 anos: a partir dessa idade, as taxas de fertilidade começam a diminuir consideravelmente na mulher e aumentam as chances de mutações genéticas nos gametas.

Sigilo da identidade

O sigilo da identidade das doadoras e receptoras deverá ser sempre mantido (informações de caráter clínico da doadora poderão ser passadas para os médicos, caso necessário, resguardando-se a sua identidade civil).

Proibições

Os funcionários das clínicas de reprodução (médicos, enfermeiros, demais integrantes) não podem ser doadores.

Antes da doação, a doadora precisa também passar por uma avaliação clínica minuciosa e realizar uma série de exames laboratoriais para descartar doenças genéticas e pesquisar infecções (como HIV, HTLV, sífilis, hepatite B e C).

3. Como é o procedimento?

Podemos dividir o procedimento da ovodoação entre as etapas que acontecem com a doadora e as que ocorrem com a receptora.

Primeiramente, a doadora voluntária ou que está se submetendo ao tratamento de reprodução assistida inicia o processo com a estimulação ovariana controlada (EOC), que tem o objetivo de estimular o ovário a produzir o máximo de óvulos possíveis, que são posteriormente coletados por aspiração folicular.

Caso a paciente tenha realizado a doação unicamente com caráter voluntário, o processo se encerra nesta etapa. A menstruação deve ocorrer em alguns dias após a coleta dos óvulos e não serão necessários exames ou procedimentos após.

Já nos casos em que a paciente doadora também está em tratamento, as próximas etapas do seu tratamento podem ser realizadas normalmente, conforme planejado previamente junto com seu médico. O fato de ter doado parte dos óvulos não interfere nas etapas.

Para a paciente receptora, os embriões serão formados através dos óvulos recebidos da doadora — que serão fertilizados pelos espermatozoides (do parceiro ou de doador, dependendo do caso). A receptora também faz uso de medicações hormonais, mas, nesse caso, para estimular o desenvolvimento do seu endométrio (parede interna do útero) para receber o(s) embrião(ões).

O procedimento de transferência embrionária é rápido e indolor, semelhante a um exame ginecológico, e o exame de sangue para a detecção da gravidez é feito duas semanas após a transferência embrionária.

4. Em quais casos em que a ovorecepção é indicada?

A ovorecepção é indicada nos casos em que a mulher não tem ovários ou quando seus ovários têm algum problema de funcionamento, o que faz com que os óvulos produzidos sejam insuficientes ou com baixa qualidade para possibilitar a fertilização e posterior gravidez.

Assim, cabe ao médico e à clínica garantir que a doadora tenha a maior semelhança fenotípica (características físicas) com a receptora, o que aumenta as chances de que o bebê tenha aparência semelhante à mãe (receptora).

As principais indicações para o uso da ovodoação são:

  • mulheres na menopausa, seja ela precoce ou não;
  • mulheres que nasceram com alterações estruturais ou funcionais dos ovários;
  • após tratamento de quimioterapia e/ou radioterapia, caso tenham evoluído com falência ovariana (esses tratamentos podem atingir as células germinativas e provocar a infertilidade);
  • mulheres que retiraram os ovários em cirurgia;
  • falhas repetidas na FIV;
  • mulheres com idade avançadabaixa reserva ovariana.

5. Quais as chances de sucesso?

As chances de sucesso da gravidez com a ovodoação dependem, em grande parte, de características da doadora e do óvulo doado. A escolha de doadoras apenas com menos de 35 anos é uma forma de aumentar essas chances, pois seus óvulos têm menores chances de apresentarem alterações e mutações que inviabilizem a gestação. Vale lembrar, ainda, que a idade da receptora tem menos influência.

As taxas de sucesso são variáveis dependendo das outras características de cada caso. De maneira geral, a chance de sucesso com ovodoação gira em torno de 50% a 60%, número que aumenta com o número de tentativas.

6. Existem complicações associadas?

A ovodoação envolve procedimentos médicos para sua realização, de modo que complicações relativas à estimulação ovariana controlada e coleta de óvulos possam ocorrer nas pacientes submetidas ao tratamento. Mesmo assim, o procedimento é considerado seguro e a paciente é acompanhada e avaliada a todo momento por uma equipe multidisciplinar especializada.

Essas complicações incluem:

  • efeitos colaterais dos hormônios: dor de cabeça, dor no local da aplicação, desconforto abdominal, mudanças no estado de humor;
  • síndrome de hiperestimulação ovariana: número de folículos ovarianos gerados muito maior do que o esperado;
  • falta de óvulos, mesmo após a estimulação do ovário (muito raro), entre outros eventos menos frequentes.

A ovodoação é uma técnica de reprodução assistida em ascensão, que permite que mulheres com problemas ou ausência dos ovários possam ter a experiência da gestação. Pensando nisso o CEFERP criou um programa de doação compartilhada de óvulos, o Sonhar Juntos. Para conhecer mais sobre o programa acesse aqui.

Se você gostou do texto, assine a nossa newsletter aqui e receba, em sua caixa de e-mail, mais conteúdos relacionados ao assunto!

mm

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. CRM-SP 164.436
Perfil no Doctoralia

Comentários (18)

  • Avatar

    Renata Martins

    |

    Boa tarde!
    Tenho 31 anos, casada a 4 anos e estamos tentando engravidar desde que casamos, os exames não mostram nada, pelo contrario, uma contagem de folículos boa, um espermograma muito bom também.
    Gostaria de saber mais sobre a fertilização FIV com a possibilidade de doação de óvulos.
    Seria possível? E qual o custo desse procedimento?.
    Aguardo retorno,
    Obrigada
    Renata

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Renata,

      Obrigada pelo seu contato, o primeiro passo é procurar um especialista em reprodução humana com os exames para que ele possa fazer uma avaliação aprofundada do seu caso e inclusive verificar a possibilidade de doação de óvulos.

      Se tiver interesse em agendar uma consulta conosco seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

    • Avatar

      Lucimara silverio dos reis

      |

      Tenho 31 anos sou laqueada a 6 meses minha bebê faleceu gostaria de doar óvulos e ganha a fiv como faço

      Reply

      • mm

        CEFERP

        |

        Lucimara,
        Precisamos agendar uma consulta para esclarecer suas dúvidas, o contato que você deixou não tinha DDD, por isso não conseguimos enviar mensagem.
        Seguem nossos contatos:
        (16) 99302-5532 (WhatsApp)
        (16) 3877-7789
        (16) 3877-7784
        [email protected]

        Atenciosamente,

        Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

        Reply

  • Avatar

    Eva estefane pereira da silva

    |

    Como faço pra ser doadora compartilhada e quanto pra fazer inseminação invitro invitro entrando como doadora quanto fica custo.

    Reply

    • Avatar

      adminceferp

      |

      Oi Eva,
      Como explicado no texto para ser doadora existem algumas exigências que são avaliadas na consulta.
      Caso tenha interesse peço que leia com atenção o nosso programa Sonhar Juntos – https://ceferp.com.br/tratamentos/sonhar-juntos/ e caso queira agendar uma consulta com nossos especialistas, seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    alessandra Carvalho

    |

    Gostaria de saber vou ser uma doadora de óvulos a receptora custia as medicações ou fica por nossa conta? obrigada

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Alessandra,
      Obrigado pelo seu comentário!
      Cada clínica tem suas diretrizes, aqui no CEFERP as condições são explicadas na nossa página do programa sonhar juntos (https://ceferp.com.br/tratamentos/sonhar-juntos/).

      Caso queira agendar uma consulta com nossos especialistas, seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Agnes

    |

    Quero ser doadora de óvulos, para facilitar minha FIV

    Reply

  • Avatar

    Liliane

    |

    Olá quero ser doadora e receptora ,meu esposo e operado há 6 anos estamos planejando ter outro bebê daqui uns três anos é possível ,vcs fazem isso tb

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Liliane,
      O primeiro passo é passar por uma consulta com o especialista. Se você quer ser doadora de óvulos recomendo que conheça nosso programa Sonhar Juntos – https://ceferp.com.br/tratamentos/sonhar-juntos/.
      Você diz que quer esperar alguns anos para ter outro bebê, verifique a possibilidade de congelar os óvulos que não forem doados, quanto mais jovem a mulher, melhor a qualidade e quantidade dos óvulos que ela possui.

      Caso queira agendar uma consulta com nossos especialistas, seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Adeline

    |

    Olá quero ser doadora .já tenho uma filha gostaria de ajudar outras mamães a realização do sonho .
    Teria algum custo

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Adeline,
      Que lindo gesto, vamos agendar uma consulta para que possa tirar todas as suas dúvidas.

      Abaixo seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Karina

    |

    Gostaria de ser doadora tenho 41 anos

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Karina,
      Para ser doadora de óvulos você precisa ter até 35 anos incompletos, se quiser entender melhor nosso programa de doação compartilhada de óvulos acesse: https://ceferp.com.br/tratamentos/sonhar-juntos/
      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

  • Avatar

    Dilaine Moraes dos Santos

    |

    Olá Dra.
    Sou casada com uma mulher tenho 29 anos e gostaria muito de ser doadora e receptora tbm.
    Não tenho filhos ainda,sonho com isso todo instante.
    Ela pode ser doadora tbm nesse caso?

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Oi Dilaine,

      Obrigado pelo comentário. Que pergunta excelente, para que seja possível fazer uma avaliação da sua esposa é necessário passar por uma consulta, para entender melhor sobre a doação de óvulos acesse nossa página: https://ceferp.com.br/tratamentos/sonhar-juntos/. Nela vocês já tem acesso ao cadastro para participar do programa, mas para realizar o tratamento conosco é necessário vir até Ribeirão Preto.

      Caso queira agendar uma consulta com nossos especialistas, seguem nossos contatos:
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia