Conheça as taxas de sucesso dos principais tratamentos para engravidar

Conheça as taxas de sucesso dos principais tratamentos para engravidar

Conheça as taxas de sucesso dos principais tratamentos para engravidar

Powered by Rock Convert

Karina Bacchi, 42 anos, está na quarta Fertilização in vitro (FIV) para alcançar sua segunda gestação. Ivete Sangalo, 45 anos, engravidou na primeira FIV com óvulos congelados aos 42-43 anos. Ana Hickman, Carolina Ferraz, Fátima Bernardes são outras famosas que trilharam a jornada da reprodução assistida. Porque mulheres com características semelhantes têm taxas de sucesso diferentes?

Muitas mulheres decidem ter filhos na fase de declínio da vida reprodutiva (após os 35 anos) e podem precisar de tratamento para a infertilidade, algumas vezes, mais de uma tentativa. Além disso, a função reprodutiva pode ser diferente entre as mulheres de mesma faixa etária (o número de óvulos pode ser diferente). Outro ponto importante é que existem diferentes fatores que podem interferir na fertilidade masculina e feminina.

Neste post, elaboramos informações sobre as taxas de sucesso que você precisa saber antes de iniciar qualquer tratamento para a infertilidade. Vamos em frente!

Conheça as chances de gestação espontânea

Independentemente da idade, o ser humano tem limitações biológicas para engravidar. Mais da metade das gestações são interrompidas até o início da menstruação e a mulher/casal nem tem o conhecimento de que teve a gravidez.

Isso acontece porque temos uma particularidade reprodutiva: o número de embriões que produzimos com alteração genética é elevado se comparado com outras espécies de mamíferos. Por isso, a interação do embrião com o útero fica prejudicada e, na maioria das vezes, a gravidez não evoluiu — são as chamadas perdas gestacionais invisíveis: a mulher engravida, mas a gestação é interrompida antes do atraso menstrual.

Na figura abaixo estão as taxas de gravidez espontânea no primeiro mês de tentativa e após 12 meses de acordo com a idade da mulher. Ela demonstra que as taxas de gestação espontânea são de, no máximo, 18-20% para mulheres com 26 a 30 anos, e estes números caem pela metade dos 35 aos 40 anos. Isso acontece porque o número de embriões comprometidos geneticamente e a quantidade de óvulos diminuem conforme o avanço da idade da mulher.

Em contrapartida, após 1 ano, a taxa de gravidez aumenta em todas as idades porque todos os meses a mulher libera novos óvulos. Por isso, a chance de ter óvulo e embriões saudáveis aumenta ao longo de 6 meses a 1 ano.

Esse é o motivo pelo qual o ASRM (American Society for Reproductive Medicine) e o ESHRE (European Society of Human Reproduction and Embryology) recomendam tentar engravidar por 6 meses (mulheres com 35 anos ou mais) ou 1 ano (mulheres com menos de 35 anos). Após esse período, os casais devem buscar auxílio para o tratamento da infertilidade.

Tabela de chances de gravidez por ciclo menstrual

Todos os tratamentos para a infertilidade podem potencializar essas taxas, mas tenha em mente que engravidar tem limitações naturais (produção de embriões geneticamente alterados), que acompanham os casais em qualquer tratamento, uma vez que a reprodução assistida não modifica o patrimônio genético do óvulo e espermatozoide.

Powered by Rock Convert

É importante conversar com seu médico sobre possíveis estratégias para reduzir o tempo para alcançar a gravidez e proporcionar maior conforto e segurança durante o tratamento. Essa fase deverá ser de tranquilidade e alegria, afinal, você está em busca do seu bebê!

Porque as taxas de sucesso variam entre as clínicas e no mundo?

Existem diferentes formas de se avaliar as taxas de sucesso de um tratamento de reprodução assistida. Por isso, é possível verificar grande variação entre as clínicas de reprodução humana. Muitas delas têm considerado esse percentual com base no resultado positivo do teste de gravidez. Entretanto, essa informação não é considerada pelo ASRM, ESHRE, e não deveria ser utilizada como referência.

Outra forma de analisar o sucesso da FIV é a taxa de gestação clínica, ou seja, a visualização do saco gestacional e seu conteúdo na ultrassonografia realizada após 02 semanas do beta hCG positivo. Entretanto, a avaliação considerada internacionalmente é a taxa de nascimento de bebês, que varia entre 30 a 40% para mulheres com até 39 anos, 10-15% dos 40 aos 42 anos e é de 0 a 5% para mulheres com mais de 42 anos utilizando óvulos próprios. Se a reserva ovariana estiver diminuída, as taxas podem variar entre 0 e 15%, a depender da idade da mulher.

E o namoro programado? A inseminação artificial? As taxas são menores?

O namoro programado e a inseminação artificial são técnicas não invasivas que otimizam a fertilidade natural porque a fecundação do óvulo pelo espermatozoide é espontânea e ocorre dentro do corpo da mulher, na trompa.

Quando essas técnicas são bem indicadas, as taxas de nascimento de bebês são boas: 15% para mulheres com até 30 anos, 9-10% entre 35 e 39 anos e 2% para mulheres com 40 anos ou mais. Após 6 meses, as chances de sucesso podem atingir 30-50% a depender da idade da mulher. Por isso, casais que recorrem a esses tipos de tratamento devem pensar a médio e longo prazo (3 a 6 meses), pois a maioria precisará de mais de uma tentativa para engravidar.

Para otimizar o resultado do namoro programado ou da inseminação artificial é importante que a indicação dessas técnicas sejam adequadas. De um modo geral, o tempo de infertilidade menor do que 2 a 3 anos otimiza o sucesso dos tratamentos.

O namoro programado é uma boa opção para mulheres com a síndrome dos ovários policísticos ou para casais que têm incompatibilidade de horário (quando um dos cônjuges fica longe por muitos dias). A inseminação artificial pode ser a primeira escolha nos casos de esterilidade sem causa aparente, endometriose mínima ou leve ou mesmo nos casos de alterações leves do espermograma.

Banner baixe nosso ebook taxas de sucesso

Como escolher a clínica de reprodução quando eu receber as orientações sobre as taxas de sucesso?

Fuja de clínicas milagrosas! Verifique se o especialista informa as taxas de sucesso reais indicadas pelas grandes sociedades internacionais. Você pode acessar o site da Rede Latino-americana de Infertilidade e verificar se as taxas informadas pela clínica são semelhantes às descritas pelas Sociedades internacionais e pelas clínicas brasileiras (RedLARA).

Lembre-se de que o ser humano tem limitações para engravidar e nenhum tratamento é capaz de garantir a gestação. Entretanto, é obrigação da clínica tornar a jornada mais curta, segura e confortável, sempre com informação, honestidade e transparência!

Quer se aprofundar mais no assunto? Então baixe agora mesmo o nosso E-BOOK sobre os principais tratamentos de fertilidade!

Powered by Rock Convert
mm

Prof. Dr. Anderson Sanches de Melo

Médico especialista em Reprodução Humana pelo Hospital das Clínicas da HC FMRP-USP. CRM-SP 104.975
Perfil no Doctoralia
Perfil no Linkedin

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia