Como a idade afeta a fertilidade masculina?

Como a idade afeta a fertilidade masculina?

Como a idade afeta a fertilidade masculina?

Todas as mulheres vivem, desde muito cedo, a realidade de verem suas taxas de fertilidade diminuírem, sobretudo após os 35 anos. Já para os homens, existe a ideia de que se mantêm igualmente férteis por toda a vida. Porém, isso é um mito. A fertilidade masculina também é afetada com o avançar da idade, mas de forma diferente.

Neste post, explicamos os fatores que influenciam nessa mudança, como verificar a fertilidade do parceiro e também como preservá-la ao máximo ao longo da vida. Quer saber mais? Está tudo abaixo!

A curva da fertilidade masculina

A fertilidade masculina está, culturalmente, relacionada à virilidade. O homem infértil é visto, muitas vezes, como “menos homem” — um preconceito que precisa ser frontalmente combatido. Essa visão estereotipada da masculinidade faz com que a fecundidade masculina acabe sendo negligenciada, e os mitos se multiplicam.

Ao contrário do que é comum pensar, os homens também vão perdendo a fertilidade com o passar dos anos. O que normalmente ocorre é que a qualidade e a quantidade de produção dos espermatozoides pode ser afetada por uma série de fatores.

Em alguns casos, os gametas produzidos têm sua motilidade comprometida. Assim, eles não conseguem se locomover até o meio externo para encontrar o óvulo, e a fertilização não é realizada.

A quantidade dos espermatozoides também diminui com o passar dos anos. Um artigo publicado por pesquisadores dos Estados Unidos aponta que, entre os 20 e 30 anos, 90% dos túbulos seminíferos (estruturas onde o esperma é gerado) contêm espermátides (que irão se diferenciar em espermatozoides). Aos 40 a 50 anos, esse percentual cai para 50% e continua diminuindo ano a ano.

O mesmo artigo, que é uma revisão bibliográfica de vários estudos sobre o tema, também nota que outro aspecto que sofre com o avançar da idade é a morfologia dos espermatozoides. Isso quer dizer que os gametas começam a ter maiores taxas de malformações à medida que o homem envelhece.

Isso interfere não só na capacidade de fertilização, mas pode também ser a causa de possíveis malformações no feto e até abortos espontâneos.

Outros fatores que interferem na fertilidade masculina

Hormônios

Os hormônios são fundamentais para o bom funcionamento do sistema reprodutor, tanto em homens como em mulheres. Nos homens, algumas disfunções e doenças podem afetar a produção hormonal. Algumas causas disso são:

  • excesso do hormônio prolactina;
  • baixa produção do hormônio FSH (Hormônio Folículo Estimulante), que estimula a produção dos espermatozoides;
  • problemas na tireoide;
  • uso de anabolizantes.

Função sexual

O LH é o hormônio responsável por incitar a produção de testosterona, ajudando a manter a libido do homem e também a função erétil. Baixos níveis desse hormônio — situação relativamente comum depois dos 50 anos — podem prejudicar a função sexual, interferindo na fertilidade.

Além disso, outros fatores, como estresse, traumas e outros aspectos psicológicos também costumam atrapalhar a função sexual masculina.

Doenças

Algumas doenças podem colocar em risco a saúde do aparelho reprodutor masculino. Veja algumas delas:

  • Infecções

    Diversos tipos de doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia, tricomoníase e ureaplasma, podem levar à inflamação dos testículos. Como consequência, pode haver o comprometimento da produção dos espermatozoides, ou a obstrução dos ductos deferentes (que levam os gametas até o meio externo).

  • Varicocele

    No sistema reprodutor masculino, há algumas estruturas que acompanham os testículos e vão da cavidade abdominal até a bolsa escrotal. São os cordões espermáticos. A varicocele é o desenvolvimento de varizes nesses cordões, ou seja, os vasos dos testículos ficam dilatados e têm a circulação sanguínea alterada. Isso faz aumentar a temperatura dos testículos e pode afetar a produção e características dos espermatozoides.

  • Câncer

    Alguns tipos de câncer, como os que atingem diretamente órgãos do sistema reprodutor masculino, podem levar a alterações ou até mesmo interrupção na produção de espermatozoides. Além disso, a realização de quimio ou radioterapia, tratamentos usados para diversos tipos de tumores, também pode prejudicar a fertilidade.

Com o aumento da expectativa de vida, os casos de câncer têm se tornado mais frequentes. Por isso, o câncer é um dos fatores a serem considerados quando falamos no impacto da idade sobre a fecundidade masculina.

Genética

Alguns fatores genéticos podem fazer com que o homem não produza espermatozoides. Também pode ocorrer de o organismo produzir uma quantidade muito baixa, dificultando a fecundação do óvulo.

Exames para avaliar a fertilidade do homem

Quando um casal está com dificuldades para engravidar, é muito comum a responsabilidade cair sobre a fertilidade da mulher. Porém, para garantir um diagnóstico preciso, é fundamental também avaliar como anda a saúde do homem. Para isso, alguns exames podem ser feitos. Veja:

Espermograma

Teste realizado com uma amostra de sêmen, geralmente colhido por masturbação. Tem a função de verificar a quantidade e a qualidade dos espermatozoides. Esse exame analisa se o homem está produzindo a quantidade normal de gametas e se eles têm morfologia adequada. É o teste mais comum para avaliar a fertilidade masculina.

Fragmentação do DNA espermático

Este já é um exame mais minucioso, que analisa o DNA dos espermatozoides para verificar se eles possuem alterações que impeçam a fecundação.

Como preservar a fertilidade masculina

Muitas das causas dos problemas de fertilidade são relacionados a fatores ambientais, portanto, é possível tomar medidas para que eles não interfiram na capacidade do homem de ser pai biológico. Veja algumas medidas para manter a saúde reprodutiva do parceiro em dia:

Hábitos de vida saudáveis

Alimentação equilibrada e atividades físicas são as receitas para saúde e qualidade de vida de uma forma geral. E é claro que a fertilidade também vai ser beneficiada por isso. Uma pesquisa dinamarquesa, por exemplo, evidenciou que homens que comem mais gorduras saturadas podem ter menor contagem de espermatozoides.

Além disso, o tabagismo e o consumo excessivo de álcool também são fatores que prejudicam a produção de espermatozoides.

Distância de anabolizantes

Muita gente cai na armadilha dos anabolizantes — substâncias proibidas no Brasil sem indicação médica — em busca do corpo perfeito. Porém, as altas quantidades de testosterona presentes nessas drogas podem comprometer a produção de espermatozoides em longo prazo. Então, quem deseja ser pai deve se manter longe delas!

Uso de preservativo

Algumas doenças sexualmente transmissíveis podem ser contraídas e ficar latentes no organismo sem apresentarem sintomas específicos. É o caso de HPV, clamídia, gonorreia, entre outras. Por isso, é fundamental que o homem (e a mulher também) se proteja em suas relações, principalmente quando não tem parceira ou parceiro fixo.

Check-up geral de saúde

Algumas vezes, problemas de fertilidade são sintomas de outras condições subjacentes, como uma disfunção na tireoide, por exemplo. Fazer um check-up geral com regularidade evita situações que possam levar a problemas de fecundidade.

A fertilidade masculina é um assunto ainda muito rodeado de tabus e mitos, mas precisa ser encarada de frente, principalmente pelos casais que têm o sonho de ter um bebê. Para isso, ambos devem se informar, romper as barreiras do preconceito e tomar providências para que a saúde do parceiro esteja em dia.

Aproveite que você está interessado neste assunto e saiba mais sobre como é feito o diagnóstico de fertilidade do casal!

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. Veja mais →

Deixe um comentário

Aplicativo CEFERP

Conheça o manual da fertilidade e saiba mais sobre reprodução humana.

Celular