Saiba quais são os fatores relacionados à infertilidade masculina

Saiba quais são os fatores relacionados à infertilidade masculina

Saiba quais são os fatores relacionados à infertilidade masculina

A paternidade é um momento único, mágico, em que os instintos masculinos convergem para o surgimento de uma nova vida. Transformações emocionais, expectativas, planejamentos, mudança do cotidiano familiar, tudo ocorre para a concretização de um grande sonho: a chegada de um bebê. Mas, e quando este sonho não chega? Até quando esperar? Quando procurar a ajuda de um especialista em infertilidade?

Tenha calma! Aproximadamente 85% dos casais obtêm uma gestação após o período de um ano, desde que mantenham relações sexuais frequentes sem métodos anticoncepcionais.

O tempo de espera para engravidar depende da idade da mulher e da presença de doenças que podem diminuir a fertilidade no casal:

  • mulheres com menos de 35 anos e sem doença ginecológica podem aguardar até um ano para engravidar.
  • mulheres com idade maior ou igual a 35 anos ou com alguma doença ginecológica (endometriose, anovulação, síndrome dos ovários policísticos) ou ainda com parceiro apresentando algum problema no espermograma necessitam procurar um especialista em infertilidade em seis meses caso não consigam engravidar neste período.

Algumas alterações justificam tratamento imediato para infertilidade, não necessitando aguardar um período para engravidar espontaneamente. É o caso de mulheres que foram submetidas à laqueadura tubária ou homens que apresentem alteração importante na quantidade de espermatozoides ou vasectomia.

Você conhece quais são as causas da infertilidade masculina? Acompanhe nosso artigo, vamos falar mais sobre o assunto a seguir!

Quais são as principais causas relacionadas à infertilidade masculina?

Aproximadamente 1/3 (20% a 40%) das causas ligadas à dificuldade para engravidar estão relacionadas a alterações da fertilidade masculina. Entretanto, na maioria das vezes, não é possível identificar um fator relacionado à dificuldade para engravidar (idiopático). Confira a seguir as principais causas de infertilidade.

Idiopática

Quando não há diagnóstico de uma causa do problema na fertilidade masculina (ocorre em 25% a 50% dos casos).

Varicocele (varizes escrotais)

É a principal causa diagnosticada de infertilidade no homem (acomete cerca de 35% a 50% dos indivíduos que nunca tiveram filho). Trata-se de um defeito anatômico nos vasos sanguíneos dos testículos (varizes) que dificulta a saída de sangue pelas veias. Com isto, pode ocorrer aumento da temperatura na bolsa escrotal e alteração na característica dos espermatozoides.

A cirurgia pode melhorar a qualidade do sêmen (concentração, movimentação e morfologia dos espermatozoides), mas outros fatores devem ser analisados para se evitar retardo no tratamento da infertilidade (por exemplo: idade da mulher, tempo de tentativa de gravidez, condição financeira, nível de ansiedade, outros fatores relacionados à infertilidade, etc.).

Genética

Algumas doenças genéticas, como a síndrome de Klinefelter, podem comprometer a produção de espermatozoides.

Infecção

Na maioria dos casos, o único sintoma é a infertilidade.

Alterações congênitas

A criptorquidiafalha na descida do testículo para a bolsa escrotal, pode estar associada à dificuldade para engravidar (provavelmente porque o testículo fica exposto a temperaturas mais elevadas do que o habitual, o que altera a produção de espermatozoides).

Obstrução na saída do sêmen

Pode ser secundária a vasectomia ou mesmo a ausência do canal deferente desde o nascimento.

Disfunção sexual

Dificuldades de ejaculação e/ou ereção, disfunção sexual e ejaculação retrógrada podem dificultar o depósito de espermatozoide na vagina.

Hormonal

Segundo a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (American Society for Reproductive Medicine – ASRM), todo homem infértil com redução da concentração de espermatozoides (menos de 5-10 milhões/ml), disfunção sexual ou suspeita clínica de doenças endócrinas necessita da dosagem de hormônios no sangue.

Iatrogênica

Secundária ao uso de medicamentos (por exemplo, anabolizantes, quimioterapia, anti-hipertensivos, outros); algumas profissões (ambientes com altas temperaturas) e hábitos inadequados (tabagismo, tipo de atividade física, drogas, bebidas alcoólicas) podem interferir nas características do espermograma.

Como e por onde começar a avaliação da infertilidade masculina?

A avaliação inicial da fertilidade masculina é rápida, simples e pode ser realizada pelo ginecologista, que fará algumas perguntas. Nesta avaliação, o ginecologista também solicitará um espermograma para analisar a quantidade e qualidade dos espermatozoides.

Por isto, no CEFERP, o espermograma é realizado já na primeira consulta e em até 24 horas o casal tem o resultado da avaliação da fertilidade masculina. Em algumas situações, será necessário realizar alguns exames hormonais e genéticos no sangue e o urologista também poderá ser consultado.

O que é o espermograma?

Exame que mostra a quantidade e qualidade dos espermatozoides, que é de fundamental importância na avaliação da infertilidade masculina e permite direcionar corretamente o melhor tratamento mais adequado.

A partir dos resultados de concentração, motilidade, vitalidade, morfologia, volume, pH, viscosidade, liquefação e outros, é possível avaliar corretamente cada caso.

E a ausência de espermatozoides no espermograma?

A azoospermia (ausência de espermatozoides no sêmen) é uma alteração que pode ocorrer por dois mecanismos:

  • obstrutiva — quando ocorre obstrução na saída do espermatozoide do testículo durante a ejaculação (vasectomia ou ausência do canal deferente bilateralmente, por exemplo);
  • não obstrutiva — há alteração na produção dos espermatozoides no testículo (alterações genéticas, por exemplo).

Existe tratamento da infertilidade por azoospermia?

A grande maioria dos casos de infertilidade por azoospermia pode ser resolvida pelas técnicas de reprodução assistida por meio da obtenção de espermatozoides por punção com agulha do epidídimo/testículo ou mesmo biópsia do testículo/epidídimo para a realização da ICSI.

Entretanto, nestas situações, é importante a avaliação genética, porque algumas doenças podem estar associadas à azoospermia e também porque algumas alterações podem ser transmitidas para o futuro bebê. Além disto, o estudo genético do homem poderá auxiliar no aconselhamento da probabilidade de se obter os espermatozoides pela punção ou biópsia testicular.

Quais os tipos de procedimentos para obtenção de espermatozoides na azoospermia?

  • Punção do epidídimo com agulha fina (PESA).
  • Punção do testículo com agulha fina (TESA).
  • Biópsia do testículo (TESE)
  • Microdissecção testicular (Micro TESE): este procedimento é uma cirurgia realizada para obtenção de espermatozoides por meio de microscópio, resultando em maior chance de identificar áreas contendo produção espermática. Esta técnica pode ser realizada no caso das azoospermias não obstrutivas e também nos casos de falha prévia da punção ou biópsia realizada sem microscópio (TESE). Entretanto, sua eficácia é reduzida.

Se você está com dificuldades para ter um bebê, compareça à consulta com sua parceira(o) e converse com um especialista em reprodução humana sobre a infertilidade masculina!

Gostou deste texto? Então não perca mais nossos conteúdos! Assine agora mesmo nossa newsletter e fique por dentro!

mm

Prof. Dr. Anderson Sanches de Melo

Médico especialista em Reprodução Humana pelo Hospital das Clínicas da HC FMRP-USP.
Perfil no Doctoralia

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia