9 perguntas e respostas sobre fertilidade para você esclarecer suas dúvidas

9 perguntas e respostas sobre fertilidade para você esclarecer suas dúvidas

9 perguntas e respostas sobre fertilidade para você esclarecer suas dúvidas

O medo da infertilidade afeta muitos casais, principalmente quando a mulher se dedicou aos estudos e à carreira antes de pensar na gravidez e a idade começa a ser um fator limitante.

Mas, afinal, o que é a infertilidade? Ela afeta só as mulheres? Por que é mais difícil engravidar após os 40 anos? Quais os tratamentos disponíveis atualmente? Confira aqui essas e outras perguntas e respostas sobre fertilidade.

1. Como descobrir se sou infértil?

Exames de fertilidade não são parte da rotina do check-up, o que faz com que a infertilidade só seja diagnosticada após o casal passar um ano tentando engravidar, tendo relações sexuais sem nenhum método contraceptivo com frequência (cerca de 2 ou mais vezes por semana), sem sucesso.

No entanto, se o indivíduo já apresenta alguma doença relacionada ao sistema reprodutor (endometriose, doença inflamatória pélvica, passado de cirurgia pélvica, caxumba, impotência,varicocele, etc) ou já fez tratamento para câncer, como radioterapia ou quimioterapia, é possível verificar se a produção de gametas está ocorrendo de forma normal ou iniciar algum tratamento antes das tentativas de engravidar.

2. Não estou conseguindo engravidar, o que fazer?

Como a chance de a gravidez ocorrer após um único ciclo menstrual em casais jovens e saudáveis é de apenas 20%, é comum que a gestação demore alguns meses para acontecer e que o casal fique ansioso com a possibilidade de infertilidade.

Nesses momentos, é importante manter a calma e lembrar que, ao final de um ano de tentativas, a grande maioria dos casais (85%) consegue engravidar.

Mas se o casal já está tentando ter um filho por um período maior que um ano ou se a mulher tem mais de 35 anos e já está tentando engravidar há seis meses, o casal deve procurar um médico especialista em Reprodução Humana para iniciar a investigação de infertilidade.

3. Só as mulheres são inférteis?

Não, a infertilidade afeta igualmente homens e mulheres. As estimativas científicas dizem que os fatores femininos são responsáveis por 35% dos casos de infertilidade; os fatores masculinos por mais 35%; e os fatores de ambos por 20%. Os 10% restantes são provocados por fatores desconhecidos e chamados de infertilidade sem causa aparente (ISCA).

Apesar disso, a idade da mulher costuma ser um dos fatores mais limitantes à fertilidade do casal em sociedades nas quais o crescimento profissional e a estabilidade financeira são priorizados durante a juventude.

4. O diagnóstico de infertilidade significa que eu nunca vou engravidar?

Não. Ser infértil indica que o casal apresenta uma dificuldade maior em engravidar, mas não necessariamente impede que a concepção natural ocorra após um período maior de tentativas. No entanto, como a chance de isso ocorrer é pequena, a recomendação é que o casal não perca tempo e procure logo um médico especialista em Reprodução Assistida para descobrir o motivo da infertilidade e realizar algum tratamento que permita a gravidez.

Assim, após o diagnóstico de infertilidade, a chance de o casal engravidar é grande se o tratamento adequado for realizado.

5. Como é feita a investigação de infertilidade?

Uma vez feito o diagnóstico de infertilidade, é necessário investigar a causa do problema tanto no homem quanto na mulher para que uma solução seja encontrada e o casal consiga realizar o sonho de ter um filho.

Para a mulher, é comum a solicitação de ultrassom endovaginal para a pesquisa de alterações anatômicas e de exames de sangue para dosagem dos hormônios reprodutivos e tireoidianos. Se necessário, podem ser feitos ainda exames mais específicos como a histeroscopia, a histerossalpingografia e a videolaparoscopia.

Para o homem, o exame básico é o espermograma, que analisa a quantidade e a qualidade dos espermatozoides presentes no sêmen. No CEFERP, realizamos o espermograma com a Avaliação da Super Morfologia do Espermatozoide, com a visualização de estruturas em um aumento de mais de 6300 vezes, auxiliando em um melhor diagnóstico e indicação do melhor tratamento.

6. Por quais razões é difícil engravidar depois dos 40?

Como a mulher já nasce com todos os óvulos e a cada ciclo da sua vida amadurece e libera um deles, à medida que a menopausa se aproxima a ovulação se torna mais incerta, e os óvulos liberados costumam apresentar defeitos no número de cromossomos — as chamadas aneuploidias.

Assim, aos 20 anos a mulher apresenta apena 45% dos óvulos que tinha ao nascimento, e após os 40 anos, esse número já caiu para menos de 1%, com os óvulos restantes sendo, muitas vezes, defeituosos. Isso faz com que a chance de a mulher com mais de 40 anos engravidar seja menor (cerca de 5% ao mês) e, se a gravidez ocorrer, a chance de um aborto seja maior.

Caso a gravidez chegue ao fim, também há uma maior chance do bebê apresentar alguma síndrome cromossômica, como a síndrome de Down, se comparado com mulheres mais jovens.

7. Quais os tratamentos para acabar com a infertilidade?

Existem diversos tratamentos para a infertilidade. Alguns resolvem o problema definitivamente e tornam o casal fértil, enquanto outros contornam temporariamente a causa da infertilidade para permitir que a gravidez ocorra.

As opções mais comuns são:

  • alteração nos hábitos de vida com perda de peso e troca de medicamentos;
  • tratamento para endometriose ou doença inflamatória pélvica;
  • cirurgia para varicocele;
  • cirurgia para retirada de miomas;
  • cirurgia para correção de alterações no colo uterino;
  • namoro programado;
  • inseminação  intrauterina;
  • fertilização in vitro (FIV);
  • FIV com injeção intracitoplasmática do espermatozoide;
  • FIV com doação de gametas;
  • FIV com útero de substituição.

8. Quero começar a tentar a engravidar ainda este ano, o que posso fazer para aumentar as chances?

A melhor forma de aumentar as chances de gravidez é garantir que você e seu parceiro estejam saudáveis, eliminando hábitos como tabagismo e etilismo, perdendo peso e seguindo uma dieta rica em frutas, vegetais, cereais e carnes magras.

Além disso, é importante que a mulher vá ao médico e confira se as doenças crônicas — como hipertensão arterial, hipotireoidismo, epilepsia e diabetes — estão sob controle, se as medicações em uso podem fazer algum mal para o bebê — alterando a prescrição, se necessário — e se o cartão de vacina está em dia.

Nessa consulta de preparação para a gravidez, o médico deve ainda solicitar exames de sangue para diagnóstico de doenças infecciosas que podem ser transmitidas para o bebê (AIDS, hepatite B, toxoplasmose e sífilis) e prescrever ácido fólico para a futura gestante, um medicamento que, quando tomado por três meses antes da concepção, reduz a chance de o feto apresentar malformações relacionadas ao tubo neural.

Para o marido, é imprescindível a realização de um exame de espermograma (caso nunca tenha feito), para avaliar se a quantidade e qualidade dos espermatozoides estão dentro dos padrões normais para se obter uma gravidez natural

9. Sonho em ser mãe, mas ainda não tenho um companheiro, existe alguma coisa que possa fazer agora (com 30 anos) para me ajudar a engravidar no futuro?

Sim. Além de manter bons hábitos de vida e cuidar bem da saúde ginecológica, as mulheres que já planejam uma gravidez após os 35 anos podem preservar a fertilidade por meio do congelamento de óvulos.

Através de um pequeno procedimento cirúrgico, os óvulos da mulher são coletados, selecionados e, então, congelados em nitrogênio líquido a temperaturas inferiores a -150ºC. Esse processo faz com que o óvulo pare no tempo e mantenha suas características até o momento de descongelamento, que pode ocorrer anos mais tarde.

Assim, ao tentar engravidar após os 35–40 anos, a mulher teria a opção de realizar um procedimento de FIV com os próprios óvulos jovens, tendo um bebê com seu próprio material genético e uma chance maior de o ciclo de FIV ser bem-sucedido.

Gostou das nossas perguntas e respostas sobre fertilidade? Ainda tem dúvidas sobre o tema? Deixe um comentário aqui embaixo ou confira nosso e-book sobre a fertilidade do casal.

mm

Dr. Jorge Barreto

Diretor Técnico do CEFERP. Atua em Reprodução Humana Assistida desde 1992.
Perfil no Doctoralia

Comentários (11)

  • Avatar

    Antonica Lopes

    |

    Gostei muito d saber sobre a pergunta e reispostas sobre a fertilidade

    Reply

  • Avatar

    Alex

    |

    Olá,
    Boa tarde, fiquei vasectomizado por 16 anos, fiz uma reversão a dois anos, porem fiz dois espermogramas porém não foi identificado nenhum esperma. Existe possibilidade de fertilização?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Alex,

      O tratamento de reprodução humana pode sim auxiliar nestes casos, o ideal é agendar uma visita, fazer o espermograma aqui em nosso laboratório e saber qual tratamento é o mais indicado no seu caso.
      Se quiser agendar uma consulta conosco nosso whatsapp 16-99302-5532

      Mais informações sobre nossa consulta: https://ceferp.com.br/blog/primeira-visita-ao-ceferp/

      Um pouco mais sobre a infertilidade masculina: https://www.ceferp.com.br/diagnostico-homem

      Qualquer dúvida estamos a disposição.

      Obrigado,

      Família CEFERP

      Reply

  • Avatar

    MARCELO BAPTISTA

    |

    QUANTO FICA UM FERTILIZAÇÃO NUMA PESSOA OPERADA ELA TEM 35 ANOS DA CERTO

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Marcelo,

      Para que o tratamento de fertilização seja indicado é necessário que o médico avalie a pessoa, somente diante de uma avaliação clínica junto com exames é possível determinar o tratamento.
      Aqui no blog temos um post que fala um pouco mais sobre a primeira consulta aqui no CEFERP, acesse: https://ceferp.com.br/blog/primeira-visita-ao-ceferp/
      16-99302-5532

      Reply

  • Avatar

    Lucimar

    |

    Boa tarde eu já engravidei mais perdi com seis meses nasceu prematuro mais faleceu

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Lucimar, respondido no outro comentário!

      Reply

  • Avatar

    Lucimar

    |

    Eu já engravidei mais perdi com sei meses tem algum tratamento para segurar é algum problema de fertilidade

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Lucimar,
      A perda gestacional é mais comum do que imaginamos, neste post temos mais informações: https://ceferp.com.br/blog/aborto-de-repeticao/
      Se você continua tentando uma nova gestação e mesmo assim não consegue o positivo é importante investigar as causas, antes de pensar em fazer um tratamento efetivamente.

      Reply

  • Avatar

    Aline

    |

    Olá

    Tenho 36 anos e já fazem dois anos que estou tentando engravidar. Meu problema é com ovulação. Fiz indução e mesmo assim não consigo. O que devo fazer?

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Aline,

      O primeiro passo é fazer uma consulta com um especialista em Reprodução Humana, aqui no CEFERP a primeira consulta já inclui exames, tanto para você quanto para seu esposo. Confira neste post mais informações: https://ceferp.com.br/blog/primeira-visita-ao-ceferp/

      Vamos agendar uma consulta, nosso atendimento é das 8:00 às 21:00 de segunda à sábado presencialmente ou pelos contatos:

      (16) 3877-7789
      (16) 3877-7784
      (16) 99302-5532 (WhatsApp)
      [email protected]

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Preto

      Reply

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia