Queijo, vinho e amor! Foi assim que vencemos a Síndrome dos Ovários Policísticos!

Queijo, vinho e amor! Foi assim que vencemos a Síndrome dos Ovários Policísticos!

Queijo, vinho e amor! Foi assim que vencemos a Síndrome dos Ovários Policísticos!

Nem sempre o tratamento da infertilidade envolve procedimentos complexos! Neste relato vocês vão ver como um casal venceu a síndrome dos ovários policísticos (SOP) no primeiro “round” do tratamento!

Já havia se passado 6 meses de expectativas e o tão sonhado “risquinho” no teste de gravidez não aparecia! Menstruações irregulares, muita acne (espinhas), insônia, ansiedade, pele oleosa, excesso de hormônios masculinos no sangue e grande quantidade de folículos (estruturas ovarianas que contém os óvulos) faziam parte da síndrome dos ovários policísticos (SOP), que foi diagnosticada próximo dos 20 anos. Nestes meses, o casal havia procurado alguns médicos, mas tendo em vista o fato de que a mulher tinha 28 anos, a queixa de infertilidade não era valorizada. Foi então que o casal decidiu procurar nossa clínica.

Inicialmente, devido a SOP, solicitamos exames para avaliar possíveis complicações metabólicas e verificou-se a presença da intolerância à glicose, sendo necessário o uso da metformina. Além disso, informamos sobre o diagnóstico de infertilidade conforme os guidelines das sociedades americana e européia de medicina reprodutiva (ASRM e ESHRE) – 06 meses de tentativas com relações sexuais frequentes e sem anticoncepcional para quem tem SOP.

Antes de começar o tratamento, foi realizada a histerossonosalpingografia (exame que avalia a permeabilidade das trompas) e também um espermograma. Como estes exames estavam normais, o tratamento inicial proposto foi a indução da ovulação para o namoro programado. O casal recebeu a orientação sobre as taxas de sucesso e, após a discussão sobre opções de medicamentos, foi utilizado o letrozol. O peso e índice de massa corporal eram normais e, por isso, não houve necessidade de recorrer a equipe multidisciplinar para perder peso.

Como o casal tinha frequência sexual ≥ 2 vezes/semana, foi combinado previamente com o casal para não mudar o cotidiano sexual. Em um período de 10 dias, realizamos duas ultrassonografias transvaginais para avaliar o tamanho do folículo e quando a medida foi ≥ 18 mm, foi prescrito o hormônio para ovulação. Neste momento, foi orientado para que o casal relaxasse com um bom queijo e um bom vinho e deixasse o amor aflorar naturalmente… e sabe qual foi o resultado? O casal conseguiu o tão esperado positivo e alcançou um belo de um positivo de 198,10 mIU/mL já na primeira tentativa. Após duas semanas, o resultado do queijo, do vinho e do amor foi confirmado com as batidas do coraçãozinho de um embriãozinho saudável! E a infertilidade associada a SOP foi nocauteada na primeira tentativa!

Deixe um comentário

Aplicativo CEFERP

Conheça o manual da fertilidade e saiba mais sobre reprodução humana.

Celular