Entenda os principais riscos da gestação aos 40

Entenda os principais riscos da gestação aos 40

Entenda os principais riscos da gestação aos 40

Powered by Rock Convert

A cantora Ivete Sangalo anunciou sua gestação de gêmeos aos 45 anos, Eliana, Carolina Ferraz, Cássia Kiss são outras mulheres famosas que tiveram seus bebês após os 40 anos. Para algumas mamães, a oportunidade para ter um bebê chega mais tarde, mas a gravidez nestes casos apresenta particularidades e exige maiores cuidados com os riscos da gestação aos 40 anos ou mais.

Independentemente se a gravidez ocorreu de forma espontânea ou após a reprodução assistida, tanto o bebê quanto as mamães com mais de 40 anos podem apresentar potenciais riscos. Neste post, faremos uma discussão sobre estas complicações, sua prevenção e o aconselhamento que a futura mamãe com 40 anos ou mais deve receber antes de partir para a fertilização in vitro (FIV). Boa leitura!

Por que tantas mulheres optam pela gestação tardia?

Trabalho, carreira, esposa, casa, filhos, entre outras tarefas! Ao longo do tempo houve mudanças no comportamento feminino e a mulher moderna adquiriu múltiplas funções.

Algumas dessas transformações são consideradas fatores de expansão e conquistas para as mulheres, mas nem sempre a maternidade pode ser conciliada com esta fase de autonomia e independência. E, com isso, os planos de uma gravidez são adiados.

Paralelamente, a mulher tem experimentado o rejuvenescimento físico, o que aumenta a segurança em postergar a chegada do bebê. A

falta de informação sobre o declínio do potencial reprodutivo com o avanço da idade da mulher pode ser outro fator que contribui para encarar a maternidade aos 40 anos ou mais. Consequentemente, podem surgir complicações durante o pré-natal e parto, tanto para a mamãe quanto para os bebês.

Quais os riscos da gestação aos 40 para a mamãe e para o bebê?

Normalmente muitas doenças metabólicas e cardiovasculares (diabetes, pressão alta, obesidade, entre outras) começam a aparecer com maior frequência após os 40 anos. Esse quadro faz parte do processo de envelhecimento do nosso organismo.

Como a gravidez é um estado que exige mais do corpo da mulher, algumas doenças podem aparecer durante a gestação, mesmo em mulheres saudáveis antes de engravidar. Para a mamãe, as complicações mais frequentes são:

  • abortamento;
  • diabetes mellitus gestacional;
  • pré-eclâmpsia;
  • maior risco cesárea;
  • placenta prévia (> 45 anos);
  • prematuridade;
  • hemorragia pós-parto.

Se o pré-natal da mamãe não vai bem, o bebê também está sujeito a complicações. As mais frequentes são:

  • prematuridade;
  • maior necessidade de suporte ventilatório e UTI;
  • restrição de crescimento;
  • baixo peso ao nascer ou peso elevado (depende da saúde prévia da gestante e a intensidade da doença durante a gravidez).

Como reduzir os riscos da gestação em mulheres com 40 anos ou mais?

A melhor maneira de evitar complicações seria engravidar antes dos 40 anos, preferencialmente antes dos 35 anos. Isto porque após os 35 anos começa a ocorrer aceleração da perda da quantidade e qualidade dos óvulos e engravidar pode ser mais difícil após esta idade.

Por isso, se você pensa em engravidar após os 35, o ideal seria congelar seus óvulos para não ser surpreendida com a infertilidade no futuro. Entretanto, mulheres que não produzem mais óvulos podem gerar seus bebês através da FIV (Fertilização In Vitro) com óvulos de doadora anônima.

Se você não teve acesso à informação sobre o congelamento de óvulos e decidiu experimentar a maternidade em uma fase mais tardia da vida, o pré-natal é considerado de alto risco devido às potenciais complicações descritas acima.

Deste modo, um seguimento obstétrico rigoroso, minucioso e com equipe multiprofissional poderá minimizar o impacto negativo de possíveis doenças que podem ocorrer ao longo da gravidez e no parto.

Se a jornada está longa e o tão sonhado positivo não chega, o ideal é conversar com um especialista em reprodução humana para realizar a investigação das possíveis causas de dificuldade para engravidar e, desse modo, receber o aconselhamento sobre as complicações que podem ocorrer na gestação aos 40 anos ou mais. Algumas vezes a FIV poderá diminuir o tempo para alcançar a gestação.

Agora é com você: faça um planejamento reprodutivo e não perca tempo! Compartilhe este artigo nas redes sociais de seus contatos para que eles também fiquem por dentro de nossas publicações! Ajude a difundir conhecimento!

Referências:

Khalil A, Syngelaki A, Maiz N, Zinevich Y, Nicolaides KH. Maternal age and adverse pregnancy outcome: a cohort study. Ultrasound Obstet Gynecol. 2013;42(6):634–643.

Casteleiro A, Paz-Zulueta M, Parás-Bravo P, Ruiz-Azcona L, Santibañez M. Association between advanced maternal age and maternal and neonatal morbidity: A cross-sectional study on a Spanish population. PLoS One. 2019;14(11):e0225074.

Claramonte Nieto M, Meler Barrabes E, Garcia Martínez S, Gutiérrez Prat M, Serra Zantop B. Impact of aging on obstetric outcomes: defining advanced maternal age in Barcelona. BMC Pregnancy Childbirth. 2019;19(1):342.

Radoń-Pokracka M, Adrianowicz B, Płonka M, Danił P, Nowak M, Huras H. Evaluation of Pregnancy Outcomes at Advanced Maternal Age. Open Access Maced J Med Sci. 2019;7(12):1951–1956.

Marozio L, Picardo E, Filippini C, et al. Maternal age over 40 years and pregnancy outcome: a hospital-based survey. J Matern Fetal Neonatal Med. 2019;32(10):1602–1608.

Schwartz A, Many A, Shapira U, et al. Perinatal outcomes of pregnancy in the fifth decade and beyond- a comparison of very advanced maternal age groups. Sci Rep. 2020;10(1):1809.

mm

Prof. Dr. Anderson Sanches de Melo

Médico especialista em Reprodução Humana pelo Hospital das Clínicas da HC FMRP-USP. CRM-SP 104.975
Perfil no Doctoralia
Perfil no Linkedin

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia