Barriga Solidária ou Doação Temporária do Útero: Amor sem medidas

Barriga Solidária ou Doação Temporária do Útero: Amor sem medidas

Barriga Solidária ou Doação Temporária do Útero: Amor sem medidas

Banner Sonhar Juntos

A barriga solidária, também conhecida como doação temporária do útero ou gestação de substituição, é uma maneira de pessoas que não podem gerar um filho experienciar a parentalidade, ultrapassando barreiras físicas.

Esse tema tem despertado considerável debate e reflexão em diversos campos, incluindo ética, direitos reprodutivos e legislação, uma vez que a prática envolve uma mulher gestar um filho para outra pessoa ou casal, com a intenção de devolvê-lo após o nascimento.

Algumas situações em que a barriga solidária é considerada uma opção incluem problemas de fertilidade (individual ou conjugal), questões médicas que impossibilitam a gestação ou casais homoafetivos que desejam ter filhos biológicos. Também é por meio da doação temporário do útero que é realizada a produção independente masculina.

O procedimento acontece através da fertilização in vitro (FIV), em que o óvulo é fertilizado em laboratório e são gerados embriões que serão transferidos para o útero de substituição. A “doadora do útero” irá “carregar” o bebê por 9 meses e, após o parto, entregar a criança aos pais biológicos. Como o material genético está no óvulo e no espermatozoide, a mãe e o pai biológicos são aqueles que forneceram estas células para formação do embrião.

Aspectos Éticos e Legais

Em 2022, o Conselho Federal de Medicina estabeleceu algumas regras para os casais que necessitam da doação temporária do útero (Resolução CFM 2.320/2022):

A cedente temporária do útero deve:
a) ter ao menos um filho vivo;
b) pertencer à família de um dos parceiros em parentesco consanguíneo até o quarto grau (primeiro grau: pais e filhos; segundo grau: avós e irmãos; terceiro grau: tios e sobrinhos; quarto grau: primos);
c) na impossibilidade de atender o item “b”, deverá ser solicitada autorização do Conselho Regional de Medicina (CRM).

Primeiro grau: mãe/filha
Segundo grau: irmã/avó
Terceiro grau: tia/sobrinha
Quarto grau: prima

Banner Infográfico dicas

Além disso, a cessão temporária do útero não pode ter caráter lucrativo ou comercial, ou seja, não pode ocorrer qualquer tipo de pagamento à “doadora do útero”, e a clínica de reprodução não pode intermediar a escolha da cedente.

Outras questões também devem ser vistas:

  • Avaliação psicológica das pessoas envolvidas no tratamento (se casada ou em união estável, seu marido também precisará ser avaliado).
  • Termo de compromisso entre o casal e a “doadora temporária do útero”, assegurando o registro da criança no nome dos pais biológicos.
  • Outros termos de consentimento também deverão ser assinados.

Aspectos Psicológicos e Emocionais

Para todas as partes envolvidas – a gestante temporária, os futuros pais e o bebê – a doação temporária do útero pode ser uma jornada emocionalmente complexa. É essencial um apoio psicológico adequado antes, durante e após o processo, para garantir o bem-estar de todos os envolvidos. A gestante temporária pode experimentar uma mistura de sentimentos, desde o altruísmo até o desapego emocional após o parto, enquanto os futuros pais podem enfrentar desafios emocionais relacionados à não gestação biológica.

A doação temporária do útero requer entrega, solidariedade e companheirismo entre o casal e a familiar envolvida no procedimento. Neste contexto, um especialista em infertilidade disposto a ouvir e dialogar pode trazer tranquilidade para seguir em frente!

No CEFERP, nós entendemos a sensibilidade do assunto e temos uma equipe especializada para esse suporte. Agende uma consulta e venha nos conhecer.

Leia também:

 

ebook taxas de sucesso
mm

CEFERP

A clínica de Reprodução Humana do Centro Médico RibeirãoShopping
Perfil no Linkedin

Comentários (2)

  • Avatar

    Luciene

    |

    Oi boa noite mim chamo Luciene
    Moro em salvador baiha
    Eu tive relação com camisinha
    Mês de abril mestruei duas vezes
    8 de abril e 24 e já estou quase no final de Maio
    E até agora nada e normal

    Reply

    • mm

      CEFERP

      |

      Olá Luciene tudo bem?
      nesse caso o ideal é passar por um ginecologista, onde vocês podem avaliar corretamente seu ciclo menstrual.

      Reply

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia