O que é azoospermia? É possível ter filhos mesmo assim?

O que é azoospermia? É possível ter filhos mesmo assim?

O que é azoospermia? É possível ter filhos mesmo assim?

Por questões culturais, a infertilidade masculina é tratada com muita cautela, e, em geral, sua investigação só se inicia após esgotarem-se as hipóteses sobre a parceira.

No entanto, segundo dados do Ministério da Saúde, em 30% dos casos a dificuldade é exclusivamente masculina. De acordo com dados da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM), 1% dos homens em geral pode ter diagnóstico de azoospermia, e nos casos específicos de infertilidade, essa porcentagem pode chegar a 10-15%. 

Mas será que um diagnóstico como esse significa o fim do sonho de ter filhos? Ou ainda é possível ser pai assim mesmo? O objetivo deste post é responder a essa pergunta, além de explicar o que é azoospermia e falar um pouco sobre suas causas e tratamentos. Acompanhe!

O que é azoospermia?

A azoospermia é definida pela ausência de espermatozoides na ejaculação. No entanto, para entendê-la melhor, é importante saber um pouco mais sobre o funcionamento do aparelho reprodutor masculino.

Os espermatozoides (gametas masculinos) são produzidos nos testículos e armazenados em estruturas chamadas de epidídimos, onde amadurecem e ganham mais mobilidade. Em função da estimulação sexual, os gametas ali depositados viajam pelo ducto deferente até a uretra, onde chega também o sêmen, proveniente das vesículas seminais e da próstata.

O sêmen, por sua vez, carrega os espermatozoides e tem a função de mantê-los vivos até o encontro com o óvulo para a fecundação. Dessa maneira, a ausência de gametas no esperma pode ser em função de uma falha na produção, no armazenamento ou na passagem dos espermatozoides.

Quais são os tipos e causas?

De acordo com a origem do problema, a azoospermia pode ser classificada em obstrutiva e não obstrutiva, e para cada caso há algumas possíveis causas relacionadas.

Não obstrutiva

Nestes casos, não há nenhuma obstrução da passagem dos espermatozoides; portanto, a falha está na “fábrica”, ou seja, na produção. As causas incluem doenças que atingem os testículos ou epidídimos, defeitos congênitos (o paciente já nasce com determinadas alterações) e danos externos, tais como:

  • anomalias genéticas, como a Síndrome de Klinefelter;
  • traumas, como pancadas, torções ou acidentes;
  • varicocele — dilatação das veias que drenam os testículos;
  • infecções e tumores;
  • radiação e medicamentos quimioterápicos;
  • uso excessivo de tabaco, álcool, drogas e anabolizantes;
  • criptorquidia — quando um ou os dois testículos não descem para a bolsa escrotal nos primeiros anos de vida.

Obstrutiva

Nesse caso, a produção de espermatozoides é normal. No entanto, há um bloqueio do sistema de transporte, impedindo a passagem dos espermatozoides pelo canal (ducto deferente) e chegada à uretra.

Pode ocorrer por danos no epidídimo ou canal deferente, ou mesmo, por uma intervenção cirúrgica consciente, como:

  • infecções genitais, levando ao fechamento dos canais;
  • doenças genéticas, como a fibrose cística, que ocasiona a ausência dos canais deferentes;
  • vasectomia.

Nos casos de azoospermia obstrutiva, como a produção de espermatozoides é normal e apenas o transporte dos mesmos é alterado, a chance de se obter espermatozoides para uso em tratamentos de reprodução através de métodos cirúrgicos é maior.

Quais são os sintomas e como é feito o diagnóstico?

A azoospermia não tem nenhum sintoma aparente, pois embora cause infertilidade, não tem nenhuma relação com impotência sexual. O paciente com ausência de espermatozoides no sêmen tem ereção e ejaculação normais.

Dessa forma, a condição é detectada pelo espermograma — exame que analisa o sêmen ejaculado, normalmente colhido por masturbação. É realizada avaliação da quantidade de espermatozoides, bem como sua morfologia, concentração, motilidade, entre outras características.

No geral, um exame como esse é solicitado como parte da investigação da fertilidade masculina. É muito importante que o exame seja realizado em um laboratório especializado, com avaliação criteriosa, pois frequentemente podem ser encontrados poucos espermatozoides na amostra, que serão suficientes para serem congelados e usados posteriormente para realização da fertilização.

Com isso, o paciente não teria necessidade de ser submetido a procedimento cirúrgico para obtenção dos espermatozoides.

Análise do espermograma

Para fins diagnósticos, a análise do sêmen coletado deve ser feita com base nos parâmetros estabelecidos pelo Manual da Organização Mundial de Saúde (OMS), publicado em 2010. Além disso, ao menos duas amostras devem ser examinadas para que o diagnóstico possa ser confirmado. É essencial também que a amostra de sêmen seja centrifugada para pesquisa mais minuciosa nos casos de suspeita de azoospermia.

Alguns estudos mostraram que foi possível encontrar espermatozoides em 35% dos casos em que se acreditava tratar de azoospermia não obstrutiva, após avaliação da amostra depois de ser centrifugada.

Além disso, mesmo que sejam encontradas apenas pequenas quantidades de espermatozoides, o diagnóstico de azoospermia é excluído.

Biópsia

Um espermograma alterado, por si só, não determina a origem da azoospermia. Existe a possibilidade de que sejam produzidos espermatozoides normalmente, porém, impedidos de chegar ao sêmen, e isto influencia diretamente no tipo de tratamento.

Há diversos exames, dosagens hormonais e exames de imagem (como ultrassom, por exemplo) que podem ajudar a diferenciar se a causa seria obstrutiva ou não obstrutiva. Na maioria dos casos, essa investigação adicional permite encaixar a azoospermia em um dos subtipos.

Nos casos em que essa diferenciação é mais difícil, pode ser realizada uma biópsia no testículo em busca da causa da azoospermia, o que pode ajudar para uma previsão da chance de se obter espermatozoides.

No entanto, para que o homem seja submetido a apenas um procedimento cirúrgico, normalmente, ela é feita associada ao procedimento específico para obter espermatozoides. O tipo de procedimento é indicado por um urologista, sendo realizado tanto para colher material para a biópsia quanto para uso no tratamento de Fertilização in vitro.

É possível ter filhos? Como são os tratamentos?

Sim, de acordo com o tipo e a causa da azoospermia é possível realizar o sonho da paternidade, com a ajuda de procedimentos para obtenção de espermatozoides associados a tratamentos para engravidar.

Existem diversas técnicas cirúrgicas para obter espermatozoides, e cada uma é indicada para um tipo de alteração encontrada. Normalmente, quando é necessária realização de cirurgia para obtenção de espermatozoides, eles são utilizados para realizar o tratamento através da fertilização in vitro (FIV), pois podem ser obtidas quantidades menores de espermatozoides com alteração de motilidade ou outras características.

Algumas das técnicas cirúrgicas mais utilizadas são:

PESA e TESA

De maneira geral, quando a azoospermia é obstrutiva (com produção de espermatozoides normal), pode-se obter espermatozoides direto do epidídimo através de punção — a PESA (percutaneous epididymal sperm aspiration — punção percutânea do epidídimo).

É um procedimento simples, com duração de aproximadamente 20 minutos, feito normalmente sob sedação. No CEFERP, o procedimento é realizado por urologista, acompanhado de uma equipe de anestesistas. Quando esta mesma punção é realizada no testículo, recebe o nome de TESA (testicular sperm aspiration – aspiração de espermatozoides no testículo).

TESE e MICROTESE

Este procedimento consiste em explorar cirurgicamente o testículo a fim de encontrar espermatozoides. A TESE (testicular sperm extraction — extração de espermatozoides do testículo) é realizada a olho nu enquanto a microTESE (microdissection testicular sperm extraction — microdissecção testicular para extração de espermatozoides) é realizada com o auxílio de um microscópio cirúrgico.

Normalmente, estes procedimentos são um pouco mais demorados — levam em torno de 1 hora — e são indicados principalmente nos casos em que a azoospermia é não obstrutiva (quando o defeito encontra-se na produção de espermatozoides).

Tratamento da Varicocele

Após a identificação deste problema, o paciente acometido por varicocele pode ser submetido ao tratamento por técnica subinguinal microcirúrgica.

Consiste em uma cirurgia que realiza a análise minuciosa das veias acometidas e possibilita a sua correção. Com a normalização da circulação do testículo, pode haver melhora nos parâmetros do espermograma. Para avaliar o benefício de fazer cirurgia para varicocele ou cirurgia para obtenção de espermatozoides, é necessário avaliar também os demais fatores que podem interferir na fertilidade.

Reversão da Vasectomia

Em se tratando de vasectomia, procedimento em que é feito um corte na bolsa testicular impedindo a passagem do espermatozoide, é possível a reversão. No entanto, de acordo com alguns fatores, como o tempo de cirurgia, é recomendada a opção pela punção (PESA).

Vale mencionar que a chance de se obter espermatozoides viáveis para a fertilização reduz com o tempo de realização da cirurgia.

De toda forma, a azoospermia não impede definitivamente a paternidade. Como vimos, existem diversas opções de tratamentos, que devem ser escolhidos de acordo com as particularidades do casal, para tornar possível o sonho de ter filhos. 

Gostou do nosso texto? Se você quer saber mais sobre exames de fertilidade e tratamentos, assine a nossa newsletter e fique por dentro das nossas novidades.

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. Veja mais →

Comentários (4)

  • Avatar

    Suzimara Paravani

    |

    Muito boa essa leitura explica muito bem..

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Suzimara,
      Obrigada por esse feedback, ficamos felizes em trazer conteúdos relevantes e de qualidade.

      Obrigado,

      Equipe CEFERP – Centro de Fertilidade de Ribeirão Pretohttps://blog.ceferp.com.br/wp-admin/edit-comments.php#comments-form

      Reply

  • Avatar

    Valéria de Cassia da Cruz marques

    |

    Olá adorei saber que pode se ter chances depois de vasectomia .meu esposo fez a uns 15 16 anos .gostaríamos muito de ser pais mas nao tem reversão pelo tempo achei interessante sobre estas indicações. Mas nossa vontade se perde pelo fato de não termos condições pra ir além .

    Reply

    • Avatar

      CEFERP

      |

      Oi Valéria,

      Obrigado por comentar, ficamos felizes em trazer informações que auxiliam as pessoa.
      Hoje mesmo saiu um vídeo sobre reversão da vasectomia e a fertilização: https://youtu.be/0X-4a4xNdFA
      Não perca a esperança, procure um especialista em reprodução humana para que ele te avalie o seu caso especificamente.

      Atenciosamente,

      Equipe CEFERP

      Reply

Deixe um comentário

Aplicativo CEFERP

Conheça o manual da fertilidade e saiba mais sobre reprodução humana.

Celular