Gravidez pós-parto: quando é hora de engravidar de novo?

Gravidez pós-parto: quando é hora de engravidar de novo?

Gravidez pós-parto: quando é hora de engravidar de novo?

Se você já tem um filho e está planejando aumentar a família, é importante considerar algumas questões, como os aspectos emocionais que envolvem essa decisão e o intervalo seguro para a gravidez pós-parto.

Para alguns casais, a menor diferença de idade entre os irmãos significa mais trabalho para cuidar de dois bebês ao mesmo tempo, além de mais despesas com ambos. Afinal, quanto menor a diferença, maior a probabilidade de o mais velho ainda usar fraldas, precisar de vacinas periódicas e, muitas vezes, ter dificuldades com o sono.

Porém, há quem tenha outra opinião e deseje filhos com idades próximas. Mas existe um momento certo para engravidar novamente? Confira o post e descubra agora mesmo!

Saiba quando uma nova gestação é segura

Independentemente de seu desejo de ter ou não filhos em idades próximas, existem diversos fatores que precisam ser considerados antes de começar, de fato, a planejar a nova gestação. Um dos principais motivos é a realidade de que o organismo materno necessita de um tempo para se recuperar da gravidez anterior.

Durante a gestação, o corpo feminino se modifica totalmente. Além das mudanças hormonais para manutenção da gravidez e aleitamento, há tendência à retenção de líquidos, que exige maior esforço cardiorrespiratório, bem como o crescimento do útero para acomodar o bebê.

Assim, o ideal é que a mulher só engravide novamente depois de seu organismo voltar ao normal.

O retorno da menstruação após o parto também está relacionado às mudanças corporais e hormonais. Quando a mãe amamenta o primeiro filho, o estímulo hormonal gerado pela amamentação pode interferir na pulsatilidade dos hormônios associados à ovulação, fazendo com que a mulher tenha tendência a apresentar ciclos anovulatórios.

Por isso, é muito comum mães que amamentam manterem-se por longos períodos sem menstruar. Porém, isso não é uma regra e em alguns ciclos ela pode apresentar ovulação, mesmo em vigência da amamentação. Dessa forma, é aconselhável que a mulher discuta a associação de um método anticoncepcional, liberado para esta fase, com seu ginecologista.

Nos casos em que o bebê não mama no peito, o retorno aos ciclos ovulatórios tende a ser mais precoce, podendo inclusive ocorrer no mês seguinte.

Em virtude dessas possíveis influências na ovulação, a ocorrência de gestação no período de apenas alguns meses após o parto pode ser mais difícil. Porém, existem também outros aspectos que precisam ser levados em consideração antes de programar uma nova gestação. Acompanhe!

Tipo de parto

O tipo de parto anterior pode estar associado a maiores riscos na gravidez ou parto atual, caso o intervalo entre os partos seja muito curto. Mulheres que passaram por uma cesariana têm uma cicatriz uterina recente, que pode se romper com o crescimento uterino e acomodação da segunda gestação, caso os partos sejam muito próximos.

Idade da mãe

A idade materna também faz diferença nessa decisão. Mulheres que tiveram o primeiro filho mais jovens podem considerar aguardar mais tempo, mas as que têm mais de 35 anos e desejam ter um segundo filho devem considerar um intervalo menor, pois sua fertilidade tende a diminuir.

Vale ressaltar que a reserva ovariana é dependente de muitos outros fatores, que também devem ser analisados caso a caso para presumir o risco de redução mais acelerada da reserva ovariana.

Intervalo interpartal

Independentemente do tipo de parto, intervalos muito pequenos entre as duas gestações podem aumentar o risco de prematuridade, descolamento de placenta e baixo peso do bebê. Assim, é recomendável que o intervalo interpartal (entre os partos) mínimo deve ficar em torno de 24 meses.

Ou seja, em recomendações de grandes sociedades internacionais, como o ACOG (American College of Obstetricians and Gynecologists), o ideal é que a mulher engravide cerca de dezoito meses ou mais após o primeiro parto.

Em alguns casos, como na ocorrência de uma perda neonatal, é importante também considerar as razões do óbito para avaliar necessidade de investigações adicionais, bem como realização de procedimentos como curetagem uterina, e aguardar o tempo recomendado pelo médico após os procedimentos.

Entenda por que em alguns casos a gravidez pós-parto não acontece

Há casos em que o organismo da mulher já voltou ao normal e o casal se sente emocional e financeiramente preparado para aumentar a família, mas a gravidez não vem. Nessa situação, é importante consultar um médico especializado em reprodução para investigar a origem do problema e propor alternativas de tratamento.

A dificuldade pode ter diversas causas, desde o avanço da idade materna, até questões pontuais que podem interferir na fertilidade do casal. A presença de infecções, doenças como a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) ou mesmo alterações na produção de espermatozoides podem atrapalhar as tentativas de gravidez pós-parto. Dependendo dos fatores que estão impedindo a concepção, o profissional poderá indicar os melhores caminhos para que você consiga engravidar novamente.

Quer saber mais sobre o tema? Então, continue a visita em nossa página para entender o que é e quais são as causas infertilidade secundária.

mm

Dra. Camilla Vidal

Médica ginecologista com especialização em Reprodução Humana na HCFMRP – USP. CRM-SP 164.436
Perfil no Doctoralia

Deixe um comentário

Perfil no Doctoralia
Perfil no Doctoralia